À procura de Moçambique no Museu Nacional de Etnologia, Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3132

Palavras-chave:

Museu Nacional de Etnologia, Moçambique, colonial, pós-colonial

Resumo

Em 1965, o Museu de Etnologia do Ultramar – hoje Museu Nacional de Etnologia – foi inaugurado em Lisboa. A sua criação resultou em muito da atividade do antropólogo Jorge Dias e da sua equipa de colaboradores, mais concretamente de uma campanha a Moçambique, desenvolvida no seio da Missão de Estudos das Minorias Étnicas do Ultramar (1958-1961). Este artigo procura entender a relação entre a presença e a invisibilidade de Moçambique no Museu Nacional de Etnologia, através do espólio atual do museu, das exposições temporárias relacionadas com Moçambique que foram realizadas ao longo do tempo, e da exposição permanente atual. Contextualiza-se o aparecimento do Museu de Etnologia do Ultramar e os moldes em que foi criado; analisa-se a sua evolução, através de uma análise panorâmica do conjunto de exposições que incluíram objetos de Moçambique e que foram sendo organizadas nos mais de 50 anos da sua existência; e estuda-se a exposição permanente “O Museu, muitas coisas”, em exibição desde 2013. Conclui-se que Moçambique ocupa um lugar de destaque no Museu Nacional de Etnologia, quer pelas suas coleções e materiais documentais, quer pelas diversas exposições organizadas pelo museu ao longo da sua história. No entanto, está praticamente ausente da sua exposição permanente, sendo que a interpretação dos poucos objetos de Moçambique em exposição, necessita de uma revisão, pois está ancorada na estética dos seus objetos e não estimula qualquer tipo de pensamento crítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barão, A. L. (2015). A profissionalização da crítica de arte portuguesa (1967-1976). Tese de Doutoramento, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Brito, J. P. de (2000). Objectos em Viagem. In F. Herreman (Ed.), Na Presença dos espíritos. Arte Africana do Museu Nacional de Etnologia (pp. 13-15). Nova Iorque: Museum for African Art e Snoeck, Ducaju & Zoonm Gant.

Carvalho, A. A. R. (2015). Diversidade cultural e museus no séc. XXI: o emergir de novos paradigmas. Tese de Doutoramento, Universidade de Évora, Évora, Portugal.

Carvalho, C. (1989) História e tradição dos makondes. In Association Française d’Action Artistique (Ed.), Art Makondé. Tradition et modernité (pp. 20-27). Paris: Ministère des Affaires Etrangères e Ministère de la Coopération et du Dévelopment.

Decreto-Lei nº 46254, de 19 de março, República Portuguesa.

DGPC, Direção Geral do Património Cultural. (2019). Estatísticas de visitantes de museus, palácios e monumentos tutelados pela DGPC 2014-2018. Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural/Ministério da Cultura.

Dussel, E. (1974/2011). Filosofía de la liberación. México D.F.: Fondo de cultura económica.

Ferreira, A. (2016). O discurso artístico como dispositivo de inovação na discussão do após pós-colonialismo. Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Ferreira, A. (2018). A tendency to forget. In Suspended places (pp. 239-255). Lisboa: Sistema Solar.

Galhano, F. (1985). Desenho etnográfico de Fernando Galhano. Vol. II: África. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, Centro de Estudos de Etnologia.

Gouveia, H. C. (1997) Museologia e Etnologia em Portugal. Instituições e personalidades. Tese de Doutoramento, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Grosfoguel, R. (2007). The epistemic decolonial turn: beyond political-economy paradigms. Cultural Studies, 21(2-3), 211-223. https://doi.org/10.1080/09502380601162514

Kubik, G. (2002). Lamelofones do Museu Nacional de Etnologia. Lisboa: Ministério da Cultura, Instituto Português dos Museus, Museu Nacional de Etnologia.

Leal, J. (2011). O povo no museu. Museologia.pt, 90-107.

MEMEUP, Missão de Estudos das Minorias Étnicas do Ultramar Português. (1959). Vida e arte do povo maconde. Catálogo da exposição. Na sala de exposições do Secretariado Nacional de Informação Palácio Foz, fevereiro. Lisboa: Missão de Estudos das Minorias Étnicas do Ultramar Português.

MEU, Museu de Etnologia do Ultramar. (1968). Escultura africana no Museu de Etnologia do Ultramar. Lisboa: Museu de Etnologia do Ultramar & Junta de Investigações do Ultramar.

MEU, Museu de Etnologia do Ultramar. (1972). Povos e culturas. Lisboa: Museu de Etnologia do Ultramar & Junta de Investigações do Ultramar.

Mignolo, W. (2000). Local histories/global designs: coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press.

MNE, Museu Nacional de Etnologia. (1985). Escultura africana em Portugal. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia, Instituto de Investigação Científica Tropical, Museu de Etnologia.

Neves, J. S., Lima, M. J., Santos, J. & Lopes, M. (2019). Estudo de públicos de museus nacionais-públicos do Museu Nacional de Etnologia. Lisboa: Direção-Geral do Património Cultural.

Nogueira, I. (2013). Artes plásticas e crítica em Portugal nos anos 70 e 80: vanguarda e pós-modernismo. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Oliveira, E. V. de (1971). Apontamentos sobre museologia, museus etnológicos: lições dadas no Museu de Etnologia do Ultramar. N.6. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, Centro de Estudos de Antropologia Cultural.

Oliveira, E. V. de (1976). Modernismo e arte negro-africana no Museu de Etnologia. Informação Cultural, 1, 15-16. Lisboa: Secretaria de Estado da Cultura.

Oliveira, E. V. de (1985). Arte africana em Portugal. In Museu Etnologia, Catálogo da exposição escultura africana em Portugal. Lisboa: IICT e ME.

Oliveira, E. V. de (1989) O museu de Etnologia. In M. Vlachou (Ed.), II Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa (pp. 55-68). Mafra: ICOM.

Pereira, R. (1989). Trinta anos de museologia etnológica em Portugal. Breve contributo para a história das suas origens. In Estudos em homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira (pp. 569-580). Lisboa: INIC.

Pereira, R. (2010). Arte e artesanato africanos: colecta e apropriação. In Câmara Municipal de Lisboa (Ed.), As Áfricas de Pancho Guedes: colecção de Dori e Amâncio Guedes (pp. 12-23). Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

Quijano, A. (2007). Coloniality and modernity/rationality. Cultural Studies, 21(2-3), 168-178. https://doi.org/10.1080/09502380601164353

Ribeiro, O. (2013) Proposta de um Instituto da Terra e do Homem. Por Orlando Ribeiro e Jorge Dias. In O. Ribeiro (Ed.), Universidade, ciência, cidadania (pp. 263-268). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Sancho Querol, Gianolla, L., Raggi, G. & Chuva, M. (2020, 15 de setembro). Reflecting on re-emotions of heritage of colonial origin with Rosário Severo at the National Museum of Ethnology. Alice News. Retirado de https://ces.uc.pt/pt/ces/pessoas/investigadoras-es/lorena-sancho-querol/publicacoes/outras-publicacoes

Sarr, F. & Savoy, B. (2018). Restituer le patrimoine africain. Paris: Philippe Rey & Seuil.

Sousa, E. (1976). O congresso da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA) em Portugal. Colóquio Artes, 2(29), 56-57.

Thiong’o, Ngúgí wa (1981). Decolonizing the mind. The politics of language in African literature. Oxford: James Curry.

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Sarmento, J., & Martins, M. de L. (2020). À procura de Moçambique no Museu Nacional de Etnologia, Portugal. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(2), 15-32. https://doi.org/10.21814/rlec.3132