Revista Lusófona de Estudos Culturais https://rlec.pt/index.php/rlec <p>A <em>Revista Lusófona de Estudos Culturais</em> (RLEC)/<em>Lusophone Journal of Cultural Studies</em> (LJCS) é uma revista temática da área dos estudos culturais. Publicada desde 2013 no sistema OJS, esta revista de acesso aberto tem um rigoroso sistema de arbitragem científica e é publicada integralmente em português e em inglês duas vezes por ano (junho e dezembro). De 2013 a 2016 foi publicada pela Universidade do Minho e Aveiro, em conjugação com o Programa Doutoral em Estudos Culturais. Em 2017, passou a ser publicada, exclusivamente, pelo <a href="http://www.cecs.uminho.pt/" target="_blank" rel="noopener">Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade</a>, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, com financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia. O conselho editorial da RLEC integra reputados especialistas dos estudos culturais, de diversos pontos do mundo. </p> pt-PT <p>Os autores são titulares dos direitos de autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação. O trabalho é licenciado com uma Licença <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" rel="license">Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional</a>.</p> rlec@ics.uminho.pt (Revista Lusófona de Estudos Culturais) rlec@ics.uminho.pt (Revista Lusófona de Estudos Culturais) Wed, 29 Jun 2022 12:58:50 +0000 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Corpo Estendido Versus Corpo Intercultural: Reflexões Sobre o Uso dos Meios de Comunicação e a Interculturalidade https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3527 <p>Esse artigo busca refletir sobre a relação entre a extensão da percepção, prevista pela teoria dos meios de Marshall McLuhan (1964/2016), e a organização de uma sociedade intercultural, baseada nos estudos de autoras como Maria Aparecida Ferrari (2015), Lisette Weissmann (2018) e Natália Ramos (2013). Partindo do conceito de extensão, como afirma McLuhan, de que os meios de comunicação são capazes de ampliar o alcance do próprio sistema nervoso, pretende-se pensar nessa extensão da percepção como uma extensão virtualizada do próprio corpo humano. Tomando essa premissa, busca-se entender quais as consequências desse fenômeno em relação à constituição de uma cultura globalizada. Ou seja, busca-se responder à seguinte questão: basta o corpo ser estendido virtualmente pelos meios digitais para se constituir uma sociedade globalizada e ética, ou seria necessária uma estratégia de comunicação intercultural para que isso ocorra? Dessa forma, parte-se da hipótese de que não basta o corpo estar estendido virtualmente pelos meios de comunicação para se organizar como uma cultura globalizada, mas sim que seria necessária uma estratégia de comunicação intercultural para desenvolver uma cultura globalizada, onde as trocas de informação sejam equilibradas, e para que se desenvolva uma relação ética entre as diferentes culturas. Essa reflexão tem o propósito de evitar que a relação globalizada entre as culturas se transforme em mais uma maneira de imposição de modelos culturais etnocêntricos. Por isso, acredita-se que é preciso desenvolver uma sociedade globalizada que respeite as diferentes culturas, mais do que um corpo expandido pelos meios de comunicação. Dessa forma, torna-se necessário desenvolver um corpo intercultural, para que seja possível resgatar a alteridade da sua falência, bem como, a própria sociedade.</p> Patricio Dugnani Direitos de Autor (c) 2022 Patricio Dugnani https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3527 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 As Potencialidades do Kamishibai Plurilingue na Educação Para a Diversidade Cultural https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3610 <p>Os anos 90 ficaram assinalados por um conjunto de transformações de caráter socioeconómico, que alteraram as dinâmicas sociais, potenciando a interligação, a interdependência, a mobilidade, a superação de fronteiras, a redução do espaço e do tempo e o fluxo de informação, abrindo novas possibilidades de acesso à diversidade cultural. Todo este conjunto de perplexidades e de desafios marcam o nosso tempo e exigem um olhar renovado sobre o papel da escola e a aplicação de um novo paradigma de identidade e de cidadania. Daqui sobressai a importância do desenvolvimento de um leque alargado de competências (capacidades, conhecimentos e atitudes) que possam permitir uma maior interação com pessoas que são linguística e culturalmente diferentes. Com este contributo pretende-se aquilatar sobre os benefícios de promover a compreensão e a aceitação das diferenças culturais em contextos educativos através da utilização do <em>kamishibai</em> plurilingue.</p> Francisco Rocha, Rosa Maria Faneca Direitos de Autor (c) 2022 francisco rocha https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3610 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 O Filme Ilha da Cova da Moura, os Média e a Permanência dos Racismos na Sociedade https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3756 <p>Para além da escola, do discurso político e dos produtos culturais, os média têm um papel central no processo de aprendizagem dos jovens e na (re)construção de representações recíprocas. A televisão, os média sociais e o cinema são centrais na difusão e reificação de determinadas representações sociais. Neste artigo, exploramos a narrativa do filme <em>Ilha da Cova da Moura</em> de Rui Simões (2010), cruzando os testemunhos das personagens com os resultados da entrevista ao realizador. Este filme explora três temas centrais: (a) a importância do associativismo e da mobilização coletiva no bairro; (b) a ideia de pertença e a agência na comunidade; e (c) o preconceito e discriminação racial vivenciados por habitantes do bairro. A intenção do realizador com este filme é desconstruir os estereótipos associados ao bairro. Argumentamos que este e outros filmes podem constituir instrumentos importantes para uma literacia mediática multidimensional e multicultural. Importa criar espaços, ao longo do processo educativo de crianças e jovens, nos quais os lugares comuns do racismo possam ser discutidos e contestados. Neste contexto, as artes, e especificamente o cinema, têm um papel primordial.</p> Isabel Macedo Direitos de Autor (c) 2022 Isabel Macedo https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3756 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 A “Cidade Amiga do Idoso” Acidental: Expetativa Pública e Experiência Subjetiva em São Paulo https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3649 <p>Dois projetos de otimização, promovidos globalmente, visam responder aos desafios da vida urbana na contemporaneidade. O primeiro é o das <em>Cidades Inteligentes</em>, estruturadas a partir de um aparato tecnológico e informacional que passa a mediar a gestão da cidade, seu consumo e eficiência. O segundo é o das <em>Cidades Amigas do Idoso</em>, estruturadas a partir de ambientes que visam capacitar o crescente contingente idoso para o envelhecimento ativo na cidade. Moldados em um sistema neoliberal, ambos os projetos se apresentam como instâncias emancipadoras do cidadão para o exercício de uma cidadania participativa. Este artigo propõe que as cidades inteligentes demandem novas competências para o envelhecimento ativo na cidade, resultando em desafios para as cidades amigas do idoso no que toca à exclusão e literacia digital. Situando essa discussão no contexto brasileiro, propomos que para os idosos nem um projeto nem outro se realiza integralmente. Entretanto, a partir de uma perspectiva etnográfica, mapeamos como um grupo de idosos de São Paulo constrói uma rede informacional própria, centrada no WhatsApp, que viabiliza instâncias participativas e de pertencimento a partir de uma perspectiva “de baixo”. É nesse descompasso entre projeto e experiência urbanos que apontamos para a emergência de uma cidade acidental, informal, mas inteligente e amiga do idoso.</p> Marília Duque, Adriana Lima de Oliveira Direitos de Autor (c) 2022 Marilia, Adriana Lima de Oliveira Oliveira, A. L. https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3649 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Mudando Perspetivas: O Papel das Indústrias Criativas em Projetos de Inovação Social Para Empoderar as Comunidades Locais https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3664 <p>A pandemia da COVID-19 afetou as noções de vida social tal como as conhecemos, pelo que é importante desenvolver e mediar projetos que vão ao encontro dos contextos de grande transformação social em que vivemos. A crise causada pela pandemia também afetou as zonas rurais que têm procurado controlar o êxodo rural. No entanto, surgiram novas oportunidades para os territórios rurais à medida que o mundo se começou a adaptar à pandemia. Na região centro de Portugal, a Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede das Aldeias de Montanha, através do seu projeto <em>Aldeias de Montanha</em>, procura dinamizar a promoção destes territórios culturais. Para o efeito, tem vindo a desenvolver projetos de inovação social com enorme potencial para o desenvolvimento social, económico e cultural da região. A associação criou dois projetos de inovação social essenciais no desenvolvimento das comunidades localizadas nas Aldeias de Montanha: <em>Projeto Queijeiras</em> e<em> Espaços Cooperativa Coworks @Aldeias de Montanha</em>. Este artigo apresenta ambos os projetos e sublinha a importância das práticas que conduzem ao desenvolvimento positivo da sociedade através da convocação de indústrias culturais e criativas em projetos de inovação social. O trabalho profissional e o trabalho de campo realizado na Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede das Aldeias de Montanha e dos territórios das Aldeias de Montanha enquadram o estudo realizado, assim como entrevistas e questionários com pessoas e entidades ligadas aos projetos. Os resultados apresentados no artigo demonstram como ambos os projetos são extremamente valiosos para entender a importância de construir possibilidades para a reinterpretação e capacitação das comunidades locais que são muitas vezes negligenciadas. Além disso, também revelam uma expansão do local para o global, isto é, uma interação de ambientes globais com culturas locais, criando um espaço intercultural tão importante no nosso mundo globalizado.</p> Ana Margarida Cruz Silva, Clara Maria Laranjeira Sarmento e Santos Direitos de Autor (c) 2022 Ana Margarida Cruz Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3664 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 “Cadê o Museu?” Reflexões Sobre o Impacto da Pandemia nos Espaços Culturais e Educadores Surdos de Museus https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3679 <p>Vivemos em um contexto histórico marcado por mudanças sociais e educacionais. Nesse novo cenário social, é cada vez mais necessário trabalhar as questões que dizem respeito à inclusão de grupos marginalizados. Os surdos vêm se organizando há anos por meio de associações e instituições com diferentes finalidades. A diversificação na forma em que os grupos de surdos se organizaram vem ganhando novas dimensões nos últimos anos e, atualmente, os museus e outros espaços culturais são locais que vêm sendo reivindicados por essa comunidade. Cada vez mais aumenta o número de educadores surdos em museus e visitas mediadas em língua de sinais. Com isso, novas estratégias são pensadas para uma efetiva mediação para o público surdo e, principalmente, para viabilizar a participação efetiva de crianças surdas em espaços culturais, de forma a apresentar a importância da inserção da educação artística nos ensinos fundamental e médio para crianças/adolescentes surdos. Contudo, a pandemia de COVID-19 representou um impacto nesses desenvolvimentos pelo fechamento dos museus e de outros espaços culturais no período de isolamento social. Este artigo se propõe a investigar como a pandemia gerou mudanças na dinâmica dos espaços culturais, especialmente no caso do Brasil, e como essas novas ações virtuais mobilizaram os educadores surdos de museus.</p> Maria Izabel dos Santos Garcia, Rebeca Garcia Cabral, Bruno Ramos da Silva Direitos de Autor (c) 2022 Maria Izabel dos Santos Garcia, Rebeca Garcia Cabral, Bruno Ramos da Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3679 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Turismo de Risco na Sociedade Viral: Um Estudo Usando a Análise Híbrida do Discurso https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3671 <p>Nas últimas décadas, o sociólogo Ulrich Beck (1992) tem alertado sobre a sociedade de risco em que vivemos hoje, que inclui riscos não apenas conjunturais, mas essencialmente estruturais, como a poluição e o aquecimento global. Recentemente, a contemporaneidade enfrenta um novo e grave risco, a pandemia causada pela COVID-19, que parece estar a transformar as nossas formações sociais numa sociedade viral. Para compreender estes processos sociais e questões sociológicas, o presente texto chama a atenção para uma das mediações sociais e interculturais mais relevantes no atual quadro social, a articulação entre a pandemia do coronavírus e as atividades turísticas. Um estudo de caso trata aqui do discurso produzido sobre tais temas pela rede social digital Wikipedia. Este estudo é contextualizado por reflexões teóricas e práticas dos estudos de turismo e apoiado em ideias como “risco viral” e “turismo de risco viral”. Uma amostra de conteúdo extraída da Wikipedia é analisada e interpretada por meio de um método qualitativo e quantitativo desenvolvido pelo autor, denominado “análise híbrida do discurso”, que utiliza, entre outras ferramentas interpretativas, o “alfabeto de relações interconceptuais”.</p> Pedro Andrade Direitos de Autor (c) 2022 Pedro Andrade https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3671 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Recensão do Livro Rockonomics: O Que a Indústria da Música Nos Pode Ensinar Sobre Economia e Sobre a Vida https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3662 <p><em>Rockonomics</em> (Krueger, 2019/2020) é, até à data, a única obra póstuma deixada por Alan B. Krueger, uma obra na qual expande as suas análises de várias facetas da indústria musical. Krueger, docente na Universidade de Princeton com uma extensa produção académica, colaborador do The New York Times, principal economista do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos durante a presidência de Bill Clinton e detentor de diferentes cargos ao longo da presidência de Barack Obama, entre eles a chefia do Conselho Económico dessa administração, tornou-se um nome familiar para o grande público com o seu primeiro livro, escrito em coautoria com o economista David Card...</p> Daniel Morgado Sampaio Direitos de Autor (c) 2022 Daniel Sampaio https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3662 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Comunicação Política Digital na Lusofonia: Plataformização e Engajamento https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3765 <p>Este artigo oferece uma análise exaustiva das estratégias emergentes de comunicação política digital numa área pouco estudada: a lusofonia. Mediante revisão bibliográfica e análise de conteúdo, foram estudados um total de 25 partidos políticos de cinco países e três continentes diferentes. Os resultados confirmam, por um lado, tendências emergentes comuns a outras áreas geográficas analisadas recentemente, como a inovação nas narrativas digitais, a plataformização e a tendência para o engajamento como interação comunicativa. No entanto, são observadas novas tendências como o uso de mensagens instantâneas, o podcasting, a segmentação de audiência e o engajamento vinculado à neutralização de notícias falsas.</p> Berta García-Orosa Direitos de Autor (c) 2022 Berta García-Orosa https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3765 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Interconexões Conceituais e Metodológicas em Pesquisas Sobre Comunicação, Jornalismo e Relações de Gênero https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3828 <p>Neste artigo, reflito sobre as contribuições de noções teóricas e aportes metodológicos de estudos sobre relações de gênero para a superação de limites heurísticos em pesquisas sobre comunicação e jornalismo. A partir de investigações sobre coberturas noticiosas relativas a violências físicas e simbólicas contra mulheres, a acontecimentos que envolvem a homofobia e suas consequências e aos primeiros casos de síndrome da imunodeficiência adquirida tornados públicos, indico o quanto as dinâmicas sociais das relações de gênero são potencialmente disruptoras de certezas. No entanto, o aprofundamento das pesquisas mostrou limites e repetição de fórmulas também em pesquisas sobre as relações de gênero, levando-me a um desafio: como lidar com repetições que tendem a desconsiderar particularidades dos fenômenos sob investigação nas áreas da comunicação, do jornalismo e das relações de gênero, inclusive em suas possíveis interconexões?</p> Carlos Alberto de Carvalho Direitos de Autor (c) 2022 Carlos Alberto Carvalho https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3828 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Debates Midiáticos Sobre Reforma Agrária em Contextos de Ruptura Institucional: 1932–1936 na Espanha e 1964 no Brasil https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3923 <p>O objetivo deste artigo é realizar uma análise comparada de discursos da imprensa em relação ao tema da reforma agrária em dois importantes eventos que marcaram o século XX: a tentativa fracassada de golpe de Estado que deu início à Guerra Civil Espanhola no ano 1936 e o golpe civil-militar de 1964 no Brasil. Nossos objetos de estudo são textos jornalísticos publicados pelo periódico monárquico <em>ABC</em> na Espanha e pelo brasileiro <em>O Estado de S. Paulo</em> sobre o tema da reforma agrária, proposta central dos governos reformistas em questão e, consequentemente, importante eixo discursivo midiático. Como resultado, procuramos demonstrar, em uma proposta metodológica de articulação dos campos da comunicação e da história, placas de encadeamento que ajudam a compreender os eventos em questão, como o ambiente político de pluralismo antagônico, a consciência histórica, o discurso coordenado da grande imprensa e, finalmente, a concepção da mudança como um acontecimento midiático, impulsionado por uma ideologia da transparência pública desse tipo de discurso.</p> Camila Garcia Kieling, José Manuel Peláez Ropero Direitos de Autor (c) 2022 Camila Garcia Kieling, José Manuel Peláez https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3923 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Aproximações e Distanciamentos. Vítimas de Catástrofes em Brumadinho: A Engenharia de um Crime e Tragédia em Mariana https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3959 <p>Neste artigo, abordamos dois livros-reportagem que tratam de catástrofes ocorridas no Brasil, recentemente: <em>Tragédia em Mariana</em>, de Cristina Serra (Record, 2018) e <em>Brumadinho: A Engenharia de um Crime</em>, de Lucas Ragazzi e Murilo Rocha (Letramento, 2021). Embora estes trabalhos compartilhem similaridades tais como aspectos formais e temáticos, entendemos que indiciam diferentes modos de apreensão jornalística do mundo, com distintas implicações éticas particularmente no que concerne ao modo como as personagens vítimas dessas catástrofes emergem nas reportagens. Consideramos que os personagens jornalísticos têm dupla existência: no texto e fora dele, e é uma responsabilidade ética refletir sobre as formas como são constituídos tendo em vista possíveis passagens entre um e outro. Propomos então discutir, valendo-nos das duas obras, os modos de aproximação jornalística com tais acontecimentos a partir de três dimensões analíticas articuladas. No tópico “Marcas de Escuta e Presença Autoral”, damos atenção a indícios de como os autores e autora apuraram as informações que constam em seus livros, colocando sua escuta junto às vítimas ou apurando outros registros das catástrofes. Em “Personagens (S)em Enredo”, discutimos quem são aqueles cujas histórias são contadas nesses livros, como isso se faz e com que possíveis efeitos. Em “Projeto e Paratextos”, abordamos as intenções declaradas por cada autor-repórter, bem como o quanto exploram ou não as potencialidades de um livro-reportagem no aspecto específico do desenvolvimento de personagens. Por fim, cotejamos abordagens de outros repórteres sobre as representações de seus personagens para pensar como cada autor-repórter das obras que analisamos aqui se posiciona diante da catástrofe e que tipo de registro jornalístico sua postura reflete.</p> Carlos Henrique Pinheiro, Elton Antunes Direitos de Autor (c) 2022 Elton Antunes, Carlos Henrique Pinheiro https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3959 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000 Entre a Emergência e a Transformação: Unindo Pontos, Tecendo Laços https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3960 <p>Pensar as sociedades contemporâneas, particularmente nos últimos 3 anos, inclui necessariamente recorrer às diversas experiências sensoriais: o que observamos, ouvimos, sentimos, fazemos. Vivemos tempos de crise social e contextos de emergência devido à situação pandémica da COVID-19, a nível mundial; um fenómeno extensivo a todos os continentes e populações, que deu visibilidade à força e à fragilidade da globalização, à interdependência geográfica, económica e social de continentes, países, instituições e pessoas. Assistimos chocados ao deflagrar da guerra e à escalada de agressividade não apenas em locais longínquos e noutros continentes, mas suficientemente próximo de onde vivemos para despoletar em nós a reflexão sobre a defesa confiável da liberdade e dos valores europeus. Face às manifestações visíveis no confronto, nas mortes e na guerra verbal e física, na dicotomia entre o ocidente e o oriente, reconhecemos a importância do diálogo e da mediação para a defesa dos direitos humanos e da paz no mundo...</p> Ana Maria Costa e Silva, Margarida Morgado, Monika Hřebačková Direitos de Autor (c) 2022 Ana Maria Silva https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://rlec.pt/index.php/rlec/article/view/3960 Wed, 29 Jun 2022 00:00:00 +0000