Recensão do livro A invenção do assimilado. Paradoxos do colonialismo em Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.2652

Resumo

Passado quase meio século desde que os territórios que foram colónias portuguesas se assumiram como países livres, a temática do colonialismo e os seus paradoxos ainda vai pontuando a sua dinâmica. O que também acontece, há que sublinhá-lo, por parte dos países ex-colonizadores, como é o caso de Portugal. E nem poderia ser de outra forma, como explica Roberto Vecchi (2018), quando afirma que o passado colonial pode revelar-se problemático, não podendo ser considerado como um assunto ultrapassado. É que a força das ideologias e das suas reutilizações poderá alterar profundamente, ou até inverter, os modos da sua evocação. No caso de Moçambique, cuja independência foi fixada em 25 de junho de 1975, “o paradoxo colonial continua interpelando-nos sob as mais variadas roupagens e gramáticas” (p. 14), como assinala Lorenzo Macagno logo no início do livro A invenção do assimilado. Paradoxos do colonialismo em Moçambique, que pretende responder à pergunta: “em que campo de batalhas reais ou imaginárias, reside a sua teimosia actualidade e resiliência?” (p. 14)...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cabral, P.-C. (2019). Prefácio. In L. Macagno (Ed.), A invenção do assimilado. Paradoxos do colonialismo em Moçambique (pp. 17-22). Lisboa: Edições Colibri.

Ferronha, A. (1969). Ideário de portugalidade. Consciência da luso/tropicalidade. Porto: Tipografia Marca.

Freyre, G. (1953). Um brasileiro em terras portuguesas. Rio de Janeiro: José Olympo Editora.

Hegel, G. W. F. (2008). Filosofia da História. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Macagno, L. (2002). Lusotropicalismo e nostalgia etnográfica: Jorge Dias entre Portugal e Moçambique. Afro-Ásia, 28, 99-124. Retirado de https://www.redalyc.org/pdf/770/77002804.pdf

Sousa, V. (2017). Da ‘portugalidade’ à lusofonia. V. N. Famalicão: Húmus.

Sousa, V. (2019). Memory as an interculturality booster in Maputo, through the preservation of the colonial statuary. Comunicação e Sociedade [Vol. especial], 269-286. https://doi.org/10.17231/comsoc.0(2019).3073

Stoer, S. R. & Cortesão, L. (1999). “Levantando a pedra” – da pedagogia inter/multicultural às políticas educativas numa época de transnacionalização. Porto: Afrontamento.

Torgal, L. R. (2009). Estados novos, Estado Novo. Vol. 1. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Vecchi, R. (2018). Depois das testemunhas: sobrevivências. Jornal Memoirs, p. 18. Retirado de https://www.ces.uc.pt/ficheiros2/files/MEMOIRS-encarte.pdf

##submission.downloads##

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Sousa, V. de. (2020). Recensão do livro A invenção do assimilado. Paradoxos do colonialismo em Moçambique. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(2), 205-210. https://doi.org/10.21814/rlec.2652