Eficácia e Eficiência nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3451

Palavras-chave:

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, sistema, eficácia, eficiência

Resumo

omo a gestão social é uma discussão atual nos estudos organizacionais, este artigo busca contribuir para compreender e explicar a eficácia e a eficiência nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Minas Gerais, Brasil, tomadas do ponto de vista da sua missão estatutária como orientadora de suas práticas. A análise é feita com base na visão dos gestores das APAE sob as três dimensões da sua missão: oferta de serviços, melhoria da qualidade dos serviços e defesa de direitos das pessoas com deficiência intelectual, entendendo-as como sistemas em interação com o meio ambiente externo. Com base num inquérito por questionário aplicado a uma amostra representativa de 199 APAE selecionadas aleatoriamente, foram segmentadas por três clusters pré-definidos segundo a dimensão (porte). Esse questionário foi auto administrado pelos gestores e diretores das APAE, da amostra, sendo composto por uma série de perguntas em função de 54 indicadores presentes nas três dimensões observadas na missão estatutária das APAE. Por forma a analisar a eficácia e a eficiência com base naqueles indicadores, construíram-se índices de eficácia e eficiência. Tendo como referencial a teoria sistêmica e os conceitos de eficácia e eficiência, submeteram-se esses índices a várias técnicas de análise estatística. Os resultados obtidos apontam para existência de homogeneidade estrutural das APAE, independentemente dos seus oito clusters formados com base na distribuição por quartis dos seus diferentes níveis de eficácia e eficiência (baixo, médio, alto e elevado), não tendo sido possível chegar a um modelo quantitativo explicativo dos níveis de eficácia e eficiência das APAE, considerando a influência das variáveis internas e externas com que foram relacionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Sérgio Sampaio Bezerra, Instituto de Ensino e Pesquisa Darci Barbosa, Belo Horizonte, Brasil

Sérgio Sampaio Bezerra é doutor em ciências sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em estágio científico avançado de pós-doutoramento no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, do Instituto de Ciências Socais da Universidade do Minho, Portugal. É superintendente do Instituto de Ensino e Pesquisa Darci Barbosa, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Referências

Almeida, R. A., & Botelho, D. (2006). Construção de questionários. In D. Botelho & D. M. Zouain (Eds.), Pesquisa quantitativa em administração (pp. 90–108). Atlas.

APAE Brasil. (2015). Estatuto das APAEs. http://200.134.28.17/arquivo.php?arq_id=19579&visualizar=1

Bériot, D. (1997). Mudanças na empresa: Uma abordagem sistêmica: Do microscópio ao macroscópio (A. M. Neves, Trad.). Instituto Piaget. (Trabalho original publicado em 1992)

Brito, S. P. (1989). A sociologia e a abordagem sistêmica. Papirus.

Cameron, K. (1986). Effectiveness as paradox: Consensus and conflict in conceptions of organizational effectiveness. Management Science, 32(5), 539–553. https://doi.org/10.1287/mnsc.32.5.539

Castro, R. B. (2006). Eficácia, eficiência e efetividade na administração pública. In J. A. G. de Pinho (Ed.), Anais do 30º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (pp. 1–11). NPGA/UFBA.

Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm

Deliberação CIB/SUS/MG nº 1.404, de 19 de março de 2013 (2013). https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Del%201404%20-%20Institui%20PIPA.pdf

Deliberação CIB/SUS/MG 1.403, de 19 de março de 2013 (2013). https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Del%201403%20-%20CASPD%20-%20SERDI-%20Servi%C3%A7o%20especializado%20de%20reabilita%C3%A7%C3%A3o%20em%20Deficiencia%20Intelectual.pdf

Drucker, P. F. (1994). Administração em organizações sem fins lucrativos: Princípios e práticas (N. Montingelli Jr., Trad.). Pioneira. (Trabalho original publicado em 1990)

Durand, D. (1992). A sistémica (J. L. G. Matos, Trad.). Dinalivro. (Trabalho original publicado em 1979)

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2020, 3 de novembro). Censo escolar 2020. https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-escolar/resultados

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas (H.Monteiro & F. Settineri, Trads.). Artmed; Editora UFMG. (Trabalho original publicado em 1997)

Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014 (2014). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13019.htm

Robalo, A. (1995). Eficácia e eficiência organizacionais. Revista Portuguesa de Gestão, (3), 105–116. https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/1383/5/robalo_RPG_1995.pdf

Rosnay, J. D. (1975). Le macroscope vers une vision globale. Èditions du Seuil.

Schalock, R. L., & Verdugo, M. A. (2007). El concepto de cualidad de vida en los servicios y apoyos para personas con discapacidad intelectual. Revista Española sobre Discapacidad Intelectual, 38(224), 21–36.

Secretaria Nacional de Assistência Social. (s.d.). Censo SUAS 2020. Retirado a 6 de julho de 2021 de http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/snas/vigilancia/index2.php

Steinberg, R., & Powell, W. W. (2006). Introduction. In W. Powell & R. Steinberg (Eds.), Nonprofit sector: A research handbook (2.ª ed., pp. 1–9). Yale University.

Tenório, F. G. (2009). Gestão de ONGs: Principais funções gerenciais (11.ª ed.). Editora FGV.

Veiga, C. V., Saragoça, J., Fernandes, L. M., Silva, C. A., & Domingues, I. (2014). Teoria e metodologia. In C. V. Veiga & L. M. Fernandes (Eds.), Inclusão profissional e qualidade de vida (pp. 9–49). Edições Húmus.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Bezerra, S. S. (2021). Eficácia e Eficiência nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais de Minas Gerais. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(2), 99-118. https://doi.org/10.21814/rlec.3451