Homonacionalismo como mosaico: viagens virais, sexualidades afetivas

Autores

  • Jasbir K. Puar Rutgers University

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.98

Palavras-chave:

Homonacionalismo, mosaico, viralidade, sexualidades afetivas

Resumo

Neste artigo irei contextualizar o aumento do número de movimentos de gays e lésbicas no âmbito dos debates sobre os discursos dos direitos e da temática dos direitos, que é seguramente o mais forte afrodisíaco do liberalismo. Analiso o modo como a sexualidade se tornou parte de uma formação essencial na articulação de cidadãos plenos através dos vários registos, como género, classe e etnia, quer nacional, quer transnacionalmente. Este estudo posiciona claramente o homonacionalismo como categoria analítica necessária à compreensão e conceção histórica dos motivos pelos quais o estado de uma nação como simpatizante gay se tornou desejável à partida. Como a Modernidade, o homonacionalismo pode ser objeto de resistência e de resignificação, mas não pode ser excluído: todos somos condicionados por ele e através dele. O artigo encontra-se estruturado em três secções. Começo por apresentar uma panorâmica do projeto Terrorist Assemblages, prestando atenção, em particular, à utilização do termo “homonacionalismo”. Em segundo lugar, discuto o homonacionalismo no contexto da Palestina/Israel, com o objetivo de demonstrar a relevância dos discursos sobre direitos sexuais e da narrativa de “lavagem cor-de-rosa” para a ocupação. Termino com uma reflexão acerca do potencial inerente ao pensamento da sexualidade, não como uma identidade, mas como mosaicos de sensações, afetos e forças. Esta viralidade da sexualidade destabiliza produtivamente as noções humanistas dos sujeitos da sexualidade, assim como a organização política que procura resistir aos discursos jurídicos instituídos com o objetivo de nomear e controlar estes sujeitos de sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-06-18

Como Citar

Puar, J. K. (2015). Homonacionalismo como mosaico: viagens virais, sexualidades afetivas. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 3(1), 297-. https://doi.org/10.21814/rlec.98