A Praça Nelson Mandela: Espacialidades em Fronteira

Autores

  • Regiane Miranda de Oliveira Nakagawa Programa de Pós-Graduação em Comunicação/ Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas - CECULT, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Santo Amaro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-2039-7610

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3217

Palavras-chave:

cidade, espacialidades, fronteira, tradução

Resumo

Este artigo apresenta o resultado parcial de uma pesquisa mais ampla, realizada no bairro Lavapiés, região central de Madrid, voltada a apreender a constituição de suas distintas espacialidades e os sentidos que elas geram na cultura. A discussão aqui proposta terá como objeto a praça Nelson Mandela, um dos principais pontos de encontro de imigrantes na região, com o intuito de verificar de que maneira ocorre a emersão de espacialidades pautadas pelos intercâmbios e tensionamentos entre os diferentes grupos que frequentam o espaço. Para tanto, a análise terá por base a ambivalência que caracteriza o funcionamento da fronteira semiótica, tal como ela foi definida pelo semioticista da cultura Iuri Lotman (1996). A deriva situacionista e a observação participante foram utilizadas como método de pesquisa. Na praça, nota-se a presença de duas espacialidades distintas: uma marcada por um distanciamento que resulta em relações pautadas por aquilo que Richard Sennett (2018/2019) indica ser o “próximo-estranho” e outra caracterizada por intercâmbios tradutórios pelos quais se constrói uma cidade diferente daquela planejada pelo urbanismo. Por meio da discussão, objetiva-se ainda pontuar de que maneira, por meio da fronteira, se torna possível apreender formas de constituição da cidade pidgin (Careri, 2016/2017), que emergem em meio a relações marcadas pela imprevisibilidade e pelo erro, decorrentes das interações estabelecidas entre distintas alteridades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alemrac. (2018,7 de dezembro). Reactivación plaza Nelson Mandela. https://decide.madrid.es/presupuestos/presupuestos-participativos-2019/proyecto/14208

Careri, F. (2013). Walkskapes. O caminho como prática estética (F. Bonaldo, Trad.). Gustavo Gili. (Trabalho original publicado em 2002)

Careri, F. (2017). Caminhar e parar (A. Bernardini, Trad.). Gustavo Gili. (Trabalho original publicado em 2016)

Debord. G. (2003). Teoria da deriva. In P. B. Jacques (Ed.), Apologia da deriva: Escritos situacionistas sobre a cidade (pp. 87–91). Casa da Palavra.

Fernández, J. (2013). Las políticas de gentrificación en la ciudad neoliberal. Nuevas clases medias, producción cultural y gestión del espacio público. El caso de Lavapiés en el centro histórico de Madrid [Tese de doutoramento, Universidad Complutense de Madrid]. E-Prints Complutense. https://eprints.ucm.es/id/eprint/23816/1/T34970.pdf

Ferrara, L. (2000). Os significados urbanos. Edusp.

Ferrara, L. (2002). Design em espaços. Rosari.

Ferrara, L. (2008). Comunicação. Espaço. Cultura. Annablume.

Ferrara, L. (2018). A comunicação que não vemos. Paulus.

Ingold, T. (2016). Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. Educação, 39, 404–411. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2016.3.21690

Ingold, T. (2017). Antropologia versus etnografia. Cadernos de Campo, 26, 222–228. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v26ilp222-228

Lotman, I. (1996). La semiosfera I. Semiótica de la cultura y del texto. Ediciones Cátedra.

Lotman, I. (1998). La semiosfera II. Semiótica de la cultura, del texto, de la conducta y del espacio. Ediciones Cátedra.

Lotman, I. (2013). The unpredictable workings of culture (B. Baer, Trad.). TLU Press. (Trabalho original publicado em 2010)

Makarychev, A., & Yatsyk, A. (2017). Lotman’s cultural semiotics and the political. Rowman & Littlefield International.

Mezzadra, S., & Neilson, B. (2017). La frontera como método. O la multiplicación del trabajo (V. Hendel, Trad.). Traficantes de sueños. (Trabalho original publicado em 2013)

Osorio, C. (2017). Lavapiés y El Rastro. Temporae.

Rodríguez, A. C. (2015). La crisis a pie de barrio. Los casos de Lavapiés y San Isidro (Madrid) [Dissertação de mestrado, Universidad Complutense de Madrid]. E-Prints Complutense. https://eprints.ucm.es/id/eprint/51691/1/21-2017-03-15- CI17_W_Alba%20Crusellas.pdf

Santos, M. (1994). Técnica, espaço, tempo: Globalização e meio técnico, científico, informacional. Hucitec.

Sanz, A. R. (2010). Inmigración y mercado de trabajo. “Economías inmigrantes” en Lavapiés (Madrid) [Tese de doutoramento, Universidad Complutense de Madrid]. E-Prints Complutense. https://eprints.ucm.es/id/eprint/11412/1/T32358.pdf

Sennett, R. (2019). Construir y habitar. Ética para la ciudad (M. Galmarini, Trad.) Editorial Anagrama. (Trabalho original publicado em 2018)

Smith, N. (2012). La nueva frontera urbana. Ciudad revanchista y gentrificación (V. Hendel, Trad.). Traficantes de sueños. (Trabalho original publicado em 1996)

Trapiello, A. (2018). El Rastro. Ediciones Destino.

Wisnik, J. M. (1989). O som e o sentido. Uma outra história das músicas. Companhia das Letras.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Nakagawa, R. M. de O. (2021). A Praça Nelson Mandela: Espacialidades em Fronteira. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(1), 83-104. https://doi.org/10.21814/rlec.3217