Cidade e Performatividade: Rupturas Normativas no Espaço Público Informal — Um Estudo de Caso na Cidade do Recife, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3198

Palavras-chave:

cidade, corpos, performatividade, Recife, segmentaridades

Resumo

A partir do questionamento da ideia de uma cidade hegemônica e com estruturas totalizantes, este artigo toma os corpos no espaço urbano como um modo de discutir essas estruturas normativas e, por isso, procura investigar como pensar a cidade para as diversas performatividades, ao levar em consideração os corpos além dos determinados normativos. Para tanto, são utilizados como fios condutores de interpretação e construção da investigação os conceitos de performatividade da filósofa Judith Butler (1990/2020) e os de micropolítica e macropolítica dos filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari (1980/1996), através dos quais se chegou ao entendimento da segmentação do fazer cotidiano. Esses segmentos podem ser caracterizados como linear (os processos históricos), circular (as ocupações do território) e binário (as dualidades sociais). O processo de aplicação em campo dos conceitos estudados foi realizado no Brasil, na cidade do Recife, e a área escolhida foi o entorno do Mercado de São José, localizado no centro histórico, onde existiu, até ao ano de 2019, uma intensa atividade de comércio informal. A investigação estruturou-se em interpretar como se conformam algumas das segmentaridades sociais desse espaço, com o objetivo de caracterizar as relações de apropriação espacial pelos corpos performativos. Diante disso, chegou-se como resultado à enunciação de um conceito para caracterizar a relação entre os corpos e a área observada: os espaços performativos disruptivos. Dessa maneira, este trabalho busca contribuir para a prática do urbanismo, ao propor um olhar mais inclusivo sobre a cidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2015). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. http://abridef.org.br/conteudoExtra/abridef-arquivo-2016_07_05_09_49_50-361.pdf

Beauvoir, S. (1949). Le deuxième sexe: Les faits et les mythes. Éditions Gallimard.

Butler, J. (2019). Corpos em aliança e a política das ruas: Notas para uma teoria performativa de assembleia (F. S. Miguens, Trad.). Editora Civilização Brasileira. (Trabalho original publicado em 2015)

Butler, J. (2020). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.). Editora Civilização Brasileira. (Trabalho original publicado em 1990)

Camus, A. (2017). A peste (V. Rumjanek, Trad.). Editora Record. (Trabalho original publicado em 1947)

Decreto n.º 20.604, Prefeitura do Recife (2004).

Deleuze, G., & Guattari, F. (1996). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (Vol. 3, A. G. Neto, A. L. Oliveira, L. Leão, & S. Rolnik, Trad.). Editora 34. (Trabalho original publicado em 1980)

Dias, L. (2020). Performatividade e cidade: Rupturas normativas nos espaços limiares ao Mercado de São José [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. ATTENA - Repositório Digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/38977

Guatelli, I. (2012). Arquitetura dos entre-lugares: Sobre a importância do trabalho conceitual. Editora Senac.

Lei n.° 16.176, Prefeitura do Recife (1996).

Lei n.° 16.292, Prefeitura do Recife (1997).

Lei n.° 16.890, Prefeitura do Recife (2003).

Leitão, L. (2014). Quando o ambiente é hostil: Uma leitura urbanística da violência à luz de Sobrados e Mucambos e outros ensaios gilbertianos. Editora UFPE.

Menezes, L. R. (2015). Habitar no centro histórico: A habitação de interesse social como instrumento de reabilitação do centro histórico do Recife [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. ATTENA - Repositório Digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17045

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção (C. A. R. Moura, Trad.). WSF Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1945)

Moreira, F., & Nisida, V. (2019, 15 de dezembro). A quem serve a arquitetura e o urbanismo? Archdaily. https://www.archdaily.com.br/br/930184/a-quem-serve-a-arquitetura-e-o-urbanismo

Sansot, P. (2004). Poétique de la ville. Éditions Payot et Rivages. (Trabalho original publicado em 1971)

Sennett, R. (2008) Carne e pedra: O corpo e a cidade na civilização ocidental (M. A. Reis, Trad.). Editora Record. (Trabalho original publicado em 1994)

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Dias, L., & Leite, J. (2021). Cidade e Performatividade: Rupturas Normativas no Espaço Público Informal — Um Estudo de Caso na Cidade do Recife, Brasil. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(1), 61-81. https://doi.org/10.21814/rlec.3198