USOS DO ESPAÇO, LIBERDADES E CONSTRANGIMENTOS: São Paulo, Cidade Limpa: estudo de caso

Autores

  • Helena Pires Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.35

Palavras-chave:

Usos do espaço urbano, publicidade exterior, felicidade, liberdades e constrangimentos

Resumo

As formas sensíveis que se interpõem à experiência quotidiana de circulação pelo espaço urbano encontram na publicidade exterior um dos meios mais propícios ao exercício da vida social. Porém, a publicidade exterior impõe-se numa relação dialógica nem sempre pacífica, entendida como uma ameaça à ordem (desordem) da cidade percebida. Poderá a publicidade deixar de querer afirmar o lugar da persuasão, da sedução e da poética no quadro da vida urbana contemporânea? Em 26 de Setembro de 2006, a Câmara Municipal de São Paulo, no Brasil, aprovou a Lei Cidade Limpa, visando a proibição da publicidade exterior. Desde então, uma acérrima polémica tem ocupado cidadãos, políticos, arquitetos, urbanistas, publicitários, bem como artistas, entre diversos tipos de interlocutores, na defesa de pontos de vista por vezes radicalmente irreconciliáveis. É nossa convicção que subjacente a uma tal discussão se encontram diferentes noções de felicidade, individual ou coletiva, que na sua particular aplicação ao espaço e cultura da cidade, em fase de preparação da Copa do Mundo de 2014 (em São Paulo), importa cartografar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-12-17

Como Citar

Pires, H. (2013). USOS DO ESPAÇO, LIBERDADES E CONSTRANGIMENTOS: São Paulo, Cidade Limpa: estudo de caso. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 1(2), 234-248 | 249. https://doi.org/10.21814/rlec.35