A Metrópole Carnavalizada: Os Blocos de Rua Como Performances Surrealistas e Situacionistas na Cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • André Videira de Figueiredo Departamento de Ciências Sociais, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7133-2905

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3224

Palavras-chave:

blocos de rua, carnaval de rua, cidade, situacionismo, surrealismo

Resumo

O carnaval de rua do Rio de Janeiro, manifestação cultural em franco crescimento nas últimas três décadas, foi alvo de recentes investimentos ordenadores pelo poder público e pelos interesses mercantis. Uma das consequências desta intervenção foi a distinção dos blocos de rua entre oficiais e não-oficiais. É acerca deste segundo tipo de blocos, caracterizados pela espontaneidade e pela horizontalidade, que este artigo tratará, tomando como caso exemplar o Cordão do Boi Tolo. Tais manifestações consubstanciam vivências da cidade que se impõem, do ponto de vista estético e cultural, como experiências criativas de performatização dos corpos. Numa perspectiva política, estas manifestações constituem formas libertárias de ocupação do espaço público e de ressignificação dos usos da cidade. Unindo análise literária, reflexão sociológica e observação etnográfica, o artigo pretende discutir este carnaval de rua como um prolongamento inesperado das propostas surrealista e situacionista de reencantamento do mundo e de manifestação do maravilhoso. Conclui-se que a magia que a literatura opera no surrealismo continua sendo atualizada nas ruas e encruzilhadas do Rio de Janeiro pelos blocos carnavalescos, em sua oposição aos poderes institucionais e ao controle do mercado. É no gozo da cidade pelos foliões que a flânerie se converte em escrita criativa da realidade. É nas ruas da metrópole carnavalizada que a deriva se encontra enraizada nas mais antigas tradições da praça como espaço livre e gratuito de criação popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aragon, L. (1996). O camponês de Paris (F. Souza, Trad.). Imago. (Trabalho original publicado em 1928)

Baudelaire, C. (1995). Poesia e prosa (A. Bueno et. al., Trad.). Nova Aguilar. (Trabalho original publicado em 1863)

Benjamin, W. (1987). Obras escolhidas volume 1: Magia e técnica, arte e política (S. P. Rouanet, Trad.). Brasiliense. (Trabalho original publicado em 1929)

Benjamin, W. (2000). Obras escolhidas III. Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo (J. C. M. Barbosa e H. A. Baptista, Trad.). Brasiliense. (Trabalho original publicado em 1938)

Breton, A. (2001). Manifestos do surrealismo (S. Pachá, Trad.). Nau Editora. (Trabalho original publicado em 1924)

Breton, A. (2007). Nadja (I. Barroso, Trad.). Cosac Naify. (Trabalho original publicado em 1928)

Câmara Municipal do Rio de Janeiro. (2017). Carnaval é direito. Relatório da comissão especial com a finalidade de analisar a relação e as responsabilidades entre o poder público municipal e o carnaval. Gráfica da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Câmara Municipal do Rio de Janeiro. (2018). Mais Carnaval, menos ódio. Relatório da comissão especial com a finalidade de analisar a relação e as responsabilidades entre o poder público municipal e o carnaval. Gráfica da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Câmara Municipal do Rio de Janeiro. (2019). Carnaval é Direito. Relatório da comissão especial com a finalidade de analisar a relação e as responsabilidades entre o poder público municipal e o carnaval. Gráfica da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Câmara Municipal do Rio de Janeiro. (2020). Carnaval é Direito. Relatório da comissão especial com a finalidade de analisar a relação e as responsabilidades entre o poder público municipal e o carnaval. Gráfica da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Clifford, J. (2002). A experiência etnográfica: Antropologia e literatura no século XX (P. Farias, Trad.). Editora UFRJ. (Trabalho original publicado em 1981)

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo (E. S. Abreu, Trad). Editora Contraponto. (Trabalho original publicado em 1967)

Debord, G. (2003a). Introdução a uma crítica da geografia urbana. In P. B. Jacques (Ed.). Apologia da deriva (E. S. Abreu, Trad.). Casa da Palavra. (Trabalho original publicado em 1955)

Debord, G. (2003b). Relatório sobre a construção de situações e sobre as condições de organização e de ação da tendência situacionista internacional. In P. B. Jacques (Ed.). Apologia da deriva (E. S. Abreu, Trad.). Casa da Palavra. (Trabalho original publicado em 1957)

Debord, G. (2003c). Teoria da deriva. In P. B. Jacques (Ed.) Apologia da deriva (E. S. Abreu, Trad.). Casa da Palavra. (Trabalho original publicado em 1958)

Decreto N.º 32.664, Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, 2010.

Farias, J. N. (2003). O surrealismo na poesia de Jorge de Lima. EDIPUCRS.

Ferreira, F. (2004). O livro de ouro do carnaval brasileiro. Ediouro.

Frydberg, M. B. (2017). Novos agentes e novas configurações no carnaval dos blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro. Ponto Urbe [Online], 20, 1–12. https://doi.org/10.4000/pontourbe.3479

Herschmann, M., & Cabanzo, M. P. (2016). Contribuições do grupo musical Songoro Cosongo para o crescimento do carnaval de rua e das fanfarras cariocas no início do século XX. Revista do Programa de Pós-graduação em Comunicação Universidade Federal de Juiz de Fora, 10(3), 1–16. https://doi. org/10.34019/1981-4070.2016.v10.21263

Henrique, C. (2010, 9 de setembro). Bloqueata no dia 19 de setembro!!! Samba e Batuques. http://sambasebatuques.blogspot.com/2010/09/bloqueata-dia-19-de-setembro.html

Internacional Situacionista. (2003). O urbanismo unitário do fim dos anos 1950. In P. B. Jacques (Ed.), Apologia da deriva (E. S. Abreu, Trad.). Casa da Palavra. (Trabalho originalmente publicado em 1959)

Jorn, A. (2003). Os situacionistas e a automatização. In P. B. Jacques (Ed.) Apologia da deriva (E. S. Abreu, Trad.). Casa da Palavra. (Trabalho originalmente publicado em 1958)

Löwy, M. (2018). A estrela da manhã: Surrealismo e marxismo (E. Aguiar, Trad.). Boitempo. (Trabalho original publicado em 2000)

Orquestra Voadora. (2015, 7 de fevereiro). APRENDENDO A VOAR [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=_FBsOQkyZeA

Pimentel, J. (2002). Blocos. Relume Dumará.

Rio, J. (1995). A alma encantadora das ruas. Secretaria Municipal de Cultura.

Rio, J. (2002). Dentro da noite. 2 Irmãos.

Sapia, J. E., & Estevão, A. A. M. (2012). Considerações a respeito da retomada carnavalesca: O carnaval de rua do Rio de Janeiro. Textos escolhidos de cultura e arte populares, 9(1), 57–76. https://doi.org/10.12957/ tecap.2012.10295

Simas, L. A. (2020). O corpo encantado das ruas. Record.

Vaneigem, R. (2002). A arte de viver para as novas gerações (L. Vinicius, Trad.). Conrad. (Trabalho original publicado em 1967)

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Figueiredo, A. V. de. (2021). A Metrópole Carnavalizada: Os Blocos de Rua Como Performances Surrealistas e Situacionistas na Cidade do Rio de Janeiro. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(1), 203-220. https://doi.org/10.21814/rlec.3224