Transcrição do Vale do Ave em som: criação de uma linguagem espácio-sonora

Autores

  • Cidália Ferreira Silva Escola de Arquitetura da Universidade do Minho
  • Eugénia Aguiar Leite Galbilec / REarquiteturas

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.293

Palavras-chave:

Gramática, som e espaço, transcrição, território

Resumo

A transcrição do Vale do Ave em som (Leite, 2014) surge do cruzamento da representação do território com a representação sonora, aplicada à interpretação de duas amostras do Vale do Ave – o centro de Guimarães e o “entre Brito e Silvares” –, através da criação de notações gráficas ambivalentes, que simultaneamente representam o espaço e o som. Neste artigo, apresenta-se o processo de transcrição criado, o qual tem como questão geradora: como transcrever o espaço urbano em som? Aquilo que tradicionalmente se denomina de paisagem sonora (Augusto, 2014; Schafer, 1993) reflete sobre o som existente nos lugares. Este artigo inverte esta proposição, pretendendo transcrever a espacialidade dos lugares em som. Assim neste contexto, o termo “ouvir” o território não se refere aos sons reproduzidos pelos carros, pelo vento, pelas folhas das árvores, etc., mas sim ao som resultante da composição espacial. Os resultados da investigação comprovaram o vínculo entre o espaço e o som, uma vez que a composição musical correspondente a cada amostra não só é distinta, como nos remete para a sua espacialidade, abrindo um campo interdisciplinar passível de novas interseções em outros lugares, com possibilidades mútuas de inovação tanto ao nível da composição espacial como da composição musical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-06-29

Como Citar

Silva, C. F., & Leite, E. A. (2018). Transcrição do Vale do Ave em som: criação de uma linguagem espácio-sonora. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 5(1), 53-. https://doi.org/10.21814/rlec.293