As danças do Nordeste brasileiro nos museus sobre Luiz Gonzaga “o rei do baião”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.2656

Palavras-chave:

danças, Luiz Gonzaga, memória, museus

Resumo

De que maneira os museus enquanto lugares da memória de Luiz Gonzaga representam sua participação no processo de mediação cultural das danças regionais – xote, xaxado e baião –para o restante do país? A fim de responder a esta questão, nosso objetivo foi analisar o papel dos museus que tematizam a biografia de Luiz Gonzaga como instrumento de preservação histórica das danças do Sertão do Nordeste brasileiro. Para tanto, tomamos como conteúdo cinco matérias, oito fotos, um filme e uma letra musical encontradas em três museus nas cidades de Exu, Serra Talhada e Recife no estado do Pernambuco – Brasil. Além das fontes documentais, valemo-nos da entrevista semiestruturada para captar a visão dos dirigentes dos museus. Concluímos que as matérias sobre Luiz Gonzaga nas fontes documentais cumprem a função pedagógica do ensino destas danças através de suas ações de preservação, contribuindo para o processo de expansão das danças regionais no resto do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A obra do músico que ensinou os brasileiros como se dança o baião (1999, 07 de agosto). Diário de Pernambuco.

Arlégo, E. (2012). Luiz Gonzaga: centenário do Rei do Baião. Recife: Edições Edificantes.

Bernardes, D. M. (2007). Notas sobre a formação social do Nordeste. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 71, 41-79. https://doi.org/10.1590/S0102-64452007000200003

Bhabha, H.(1998). O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG.

Brasileiro, L. T. (2010). A dança é uma manifestação artística que tem presença marcante na cultura popular brasileira. Pro-Posições, 21(3), 135-153. https://doi.org/10.1590/S0103-73072010000300009

Carvalho, A. T. (Realizador). (1957). Hoje o galo sou eu [Filme]. Brasil: TV Tupi.

Como criei o baião (1975). Jornal da Cidade.

Dreyfus, D. (2012). Vida do viajante: a saga de Luiz Gonzaga. São Paulo: Editora 34.

Encontro musical cria baião dos dois: Zédantas e Gonzagão (1988, 08 de agosto). Diário de Pernambuco.

Gonzaga, L. & Dantas, Z. (1954). Olha a pisada. In A história do Nordeste [78 RPM]. Rio de Janeiro: RCA Victor.

Lança, M. (2019, 14 de janeiro). Aquilo que existe nos museus e nos arquivos pode ser dito de outra maneira, conversa com António Camões Gouveia. Buala. Retirado de https://www.buala.org/pt/vou-la-visitar/aquilo-que-existe-nos-museus-e-nos-arquivos-pode-ser-dito-de-outra-maneira-conversa-c

Libâneo, J. C. (2013). Didática. São Paulo: Cortez.

Melo, V. A, Drumond, M., Fortes, R. & Santos, J. M. C. M. (2013). Pesquisa histórica e história do esporte. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Nasce o Xaxá (1952, 14 de junho). Revista Cruzeiro.

Nora, P. (1984). Les lieux de memórie. Paris: Gallimard.

Padilha M. I., Bellaguarda, M. L. R., Nelson, S., Maia, A. R. G. & Costa, R. (2017). O uso das fontes na condução da pesquisa histórica. Texto Contexto Enfermagem, 26, 2-10. https://doi.org/10.1590/0104-07072017002760017

Pimentel, I. (2013, 20 de fevereiro). Será que a História nos pode fornecer algo de preventivo e “anular o destino”? [Post em blogue]. Retirado de http://irenepimentel.blogspot.com/2013/02/sera-que-historia-nos-pode-fornecer.html

Pinto, S. L. A. (2013). Museu e arquivo como lugares de memória. Museologia & Interdisciplinaridade, 11, 89-102. https://doi.org/10.26512/museologia.v2i3.16689

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15. Retirado de http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf

Russi, A. & Abreu, R. (2019). “Museologia colaborativa”: diferentes processos nas relações entre antropólogos, coleções etnográficas e povos indígenas. Horizontes Antropológicos, 25(53), 17-46. https://doi.org/10.1590/s0104-71832019000100002

Sá, S. (1978). O sanfoneiro do riacho do Brígida: vida e andanças de Luiz Gonzaga – Rei do Baião. Brasília: Thesaurus.

Sarlo, B. (2007). Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, C. L. (2009). Entre a cruz e o punhal: a dialética histórica do rei do cangaço. Serra Talhada-PE: Esdras Graphic.

Thomas, J. R., Nelson, J. K. & Silverman, S. J. (2012). Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed.

##submission.downloads##

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Almeida, C., Abrahão, B., & Caldas, F. (2020). As danças do Nordeste brasileiro nos museus sobre Luiz Gonzaga “o rei do baião”. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(2), 125-145. https://doi.org/10.21814/rlec.2656