Análise de uma ação coletiva: comunicação e mobilização em defesa do direito de escolha da mulher em relação ao parto

Autores

  • Aline Gonçalves Universidade Federal do Paraná
  • Celsi Silvestrin Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.82

Palavras-chave:

Comunicação, ação coletiva, mobilização, parto, Facebook

Resumo

Neste artigo são apresentados alguns dos resultados da pesquisa Da Internet às Ruas: a Marcha do Parto em Casa. Com base na discussão a respeito do papel da comunicação e dos atores coletivos na sociedade, o trabalho teve por objetivo observar se as pessoas envolvidas na defesa da humanização do parto conseguiram, utilizando ferramentas disponíveis na internet e acionando a mídia, ampliar a visibilidade social do tema. Realizou-se uma análise documental, cujo corpus foi composto por peças de comunicação relacionadas ao conflito estabelecido entre as pessoas que defendem o parto humanizado e o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj). A análise de conteúdo de uma página de evento no Facebook, usada para a organização da Marcha, confirmou que o site teve papel central nesse processo, por isso a metodologia de estudo foi focada nas apropriações tanto da internet quanto das redes sociais. Para esclarecer dúvidas e confirmar ou refutar hipóteses, foram realizadas entrevistas em profundidade com algumas das articuladoras da ação coletiva. Verificou-se que as pessoas envolvidas na mobilização se uniram para defender uma causa — o direito de escolha da mulher em relação ao parto. Para isso, as ativistas realizaram ações de comunicação e mobilização, visando à sensibilização da sociedade para que essa exija o cumprimento dos direitos das gestantes e mudanças do modelo de assistência obstétrica no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-06-18

Como Citar

Gonçalves, A., & Silvestrin, C. (2015). Análise de uma ação coletiva: comunicação e mobilização em defesa do direito de escolha da mulher em relação ao parto. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 3(1), 65-. https://doi.org/10.21814/rlec.82