Migração Venezuelana no Jornal Nacional

  • Valéria Marcondes Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Brasil
  • Moisés de Lemos Martins Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Portugal http://orcid.org/0000-0003-3072-2904
Palavras-chave: jornalismo, silenciamentos, imigrantes, exclusão social, Venezuela

Resumo

Com o propósito de explorar os sentidos narrativos, este artigo analisa o discurso do Jornal Nacional (JN), da Rede Globo, sobre os venezuelanos deslocados para o Brasil em decorrência da crise econômica, política e social em curso na Venezuela. Definimos como recorte temporal 17 edições de 2018 que enquadraram a presença de imigrantes venezuelanos no Brasil. À luz da Sociologia compreensiva identificamos nós cegos nas práticas discursivas do JN. A chegada dos imigrantes é narrada como uma ameaça à normalidade e à estabilidade. A perpetuação deste regime discursivo pode funcionar como um mecanismo de exclusão, gerador de novos medos e inseguranças.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Benjamin, W. (1984). Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus.

Benjamin, W. (1986). Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Cultrix.

Bosi, A. (1992). Dialética da colonização. São Paulo: Cia das Letras.

Brasileiro, J. (2012). O ressoar dos tambores do Congado – entre a tradição e a contemporaneidade: cotidiano, memórias, disputas (1955-2011). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Brasileiro, J. (2019). O Congado (a) e a permanência do racismo na cidade de Uberlândia- MG: resistência negra, identidades, memórias, vivências (1978-2018). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Carvalho, E. F. (2008). O rosário de Aninha[manuscrito]: os sentidos dadevoção rosarina na escritura de Anna Joaquina Marques.Goiás: E. F. Carvalho.

Certeau, M. de (1995). A cultura no plural. Campinas (SP): Papirus.

Certeau, M. de. (1994,1997). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes.

Gabarra, L. O. (2003). Congado: a festa do batuque. Caderno Virtual de Turismo, 3(2). Retirado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/32/30

Halbwachs, M. (1968). A memória coletiva. São Paulo: Ed. Vértice.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, 22(2), 15-46.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Lopes, V. M. Q. C. (2007). Uberlândia: racionalidade urbana, religiosidade e tradições culturais. In M. C. Abdala & M. C. T. Machado (Eds.), Caleidoscópio de saberes e práticas populares, catálogo da produção cultural do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (pp. 76-77). Uberlândia: EDUFU.

Munanga, K. & Gomes, N. L. (2004). Para entender o negro no Brasil de hoje: história, realidades, problemas e caminhos. São Paulo: Global; Ação Educativa.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 5(10), 200-215.

Sousa Santos, B. (1999, abril). Os novos caminhos da teoria crítica. Conferência de encerramento do colóquio comemorativo dos 20 anos da Revista Crítica de Ciências Sociais: Sociedade, Cultura e Política no Fim do Século; a Reinvenção da Teoria Crítica. Coimbra.

Sousa, G. (2014). Memórias do cinema em Uberlândia pela análise da comunicação e cultura. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia.

Teixeira, T. (1970). Bandeirantes e pioneiros do Brasil central: história da criação do município de Uberlândia. Uberlândia: Uberlândia Gráfica LTDA.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Marcondes, V., & Martins, M. de L. (2019). Migração Venezuelana no Jornal Nacional. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 6(2), 145-162. https://doi.org/10.21814/rlec.2369