A produção de sentido na dialética da reconstrução histórica do Congado em Uberlândia

Palavras-chave: Congado, cotidiano, Estudos Culturais, dialética, comunicação

Resumo

Será que a produção de sentido do presente do Congado, no cotidiano de Uberlândia, pode ser ratificado pela reconstrução histórica do passado da luta pela identidade do ser negro, sem que recaia na despolitização dos sujeitos pela beleza da representação folclórica ou de ser atrativo turístico? Esse é o problema que move este artigo para analisar historicamente, no campo da comunicação, a produção de sentido do Congado em Uberlândia. A morte de velhas personalidades e a necessidade de renovação deixou em aberto uma ruptura do presente para o passado. É como se o fio da tradição estivesse se rompendo. As perguntas nos remetem a percorrer a análise cultural, por meio dos Estudos Culturais, em que a historicidade, a dialética e o sujeito em movimento se constituem como fatores primordiais para compreender a história do Congado em meio à complexidade dialética do percurso histórico.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Benjamin, W. (1984). Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus.

Benjamin, W. (1986). Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Cultrix.

Bosi, A. (1992). Dialética da colonização. São Paulo: Cia das Letras.

Brasileiro, J. (2012). O ressoar dos tambores do Congado – entre a tradição e a contemporaneidade: cotidiano, memórias, disputas (1955-2011). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Brasileiro, J. (2019). O Congado (a) e a permanência do racismo na cidade de Uberlândia- MG: resistência negra, identidades, memórias, vivências (1978-2018). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Carvalho, E. F. (2008). O rosário de Aninha[manuscrito]: os sentidos dadevoção rosarina na escritura de Anna Joaquina Marques.Goiás: E. F. Carvalho.

Certeau, M. de (1995). A cultura no plural. Campinas (SP): Papirus.

Certeau, M. de (1994). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes.

Gabarra, L. O. (2003). Congado: a festa do batuque. Caderno Virtual de Turismo, 3(2). Retirado de http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/32/30

Halbwachs, M. (1968). A memória coletiva. São Paulo: Ed. Vértice.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, 22(2), 15-46.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Lopes, V. M. Q. C. (2007). Uberlândia: racionalidade urbana, religiosidade e tradições culturais. In M. C. Abdala & M. C. T. Machado (Eds.), Caleidoscópio de saberes e práticas populares, catálogo da produção cultural do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (pp. 76-77). Uberlândia: EDUFU.

Munanga, K. & Gomes, N. L. (2004). Para entender o negro no Brasil de hoje: história, realidades, problemas e caminhos. São Paulo: Global; Ação Educativa.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social. Estudos Históricos, 5(10), 200-215.

Sousa Santos, B. (1999, abril). Os novos caminhos da teoria crítica. Conferência de encerramento do colóquio comemorativo dos 20 anos da Revista Crítica de Ciências Sociais: Sociedade, Cultura e Política no Fim do Século; a Reinvenção da Teoria Crítica. Coimbra.

Sousa, G. (2014). Memórias do cinema em Uberlândia pela análise da comunicação e cultura. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia.

Teixeira, T. (1970). Bandeirantes e pioneiros do Brasil central: história da criação do município de Uberlândia. Uberlândia: Uberlândia Gráfica LTDA.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Sousa, G., & Bertoni, C. (2019). A produção de sentido na dialética da reconstrução histórica do Congado em Uberlândia. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 6(2), 109-125. https://doi.org/10.21814/rlec.2112