Crítica à realidade em Terra sonâmbula e Chuva braba: cultura, lirismo e memórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.2645

Palavras-chave:

cultura, literatura, realidade, lirismo, estado, sociedade

Resumo

Os romances de Manuel Lopes e Mia Couto foram escritos em momentos históricos e políticos diferentes. Enquanto Chuva braba foi publicado em 1956, antes das guerras de libertação das antigas colónias portuguesas, Terra sonâmbula veio à estampa em 1992, depois da independência de Moçambique. No primeiro caso, os problemas da seca que assolaram Cabo Verde e a consequente pobreza extrema, que levou ao êxodo massivo dos cabo-verdianos para a Europa e a América e, no segundo, a guerra dos 16 anos, que devastou Moçambique e provocou deslocação das pessoas para regiões seguras e para os países vizinhos, fazem com que as duas obras partilhem traços de instabilidade, insegurança e desassossego das personagens, permitindo a liricização das vivências em contextos da guerra e da miséria que concorrem para o aluimento do ser humano. Deste modo, os dois romances configuram espaços férteis para uma análise comparística dos eventos romanescos, intuindo que a cultura, Literatura, Sociologia e Filosofia (re)criam formas críticas sobre a construção de estados e nações, os quais se caracterizam por compreensão da realidade a partir de história e memórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Afonso, M. F. (2004). O conto moçambicano: escrita pós-colonial. Lisboa: Caminho.

Amarilis, O. (1986). Crioulo/Português, uma inter-relação a considerar. In T. V. da Silva (Ed.), Simpósio internacional sobre cultura e literatura cabo-verdianas: actas (pp. 179-183). Praia: Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro.

Bergson, H. (2006). Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes.

Chabal, P. (1994). Vozes moçambicanas. Lisboa: Vega.

Couto, M. (2002). Terra sonâmbula. Lisboa: Caminho.

Craveirinha, J. (1980). Xigubo. Lisboa: Edições 70.

Craveirinha, J. (1982). Karingana ua karingana. Lisboa: Edições 70.

Craveirinha, J. (1999). Obra poética. Lisboa: Caminho.

Escarpit, R. (1969). Sociologia da literatura. Lisboa: Arcádia.

Ferreira, A. M. (2015). As dores da tristeza: o romance Rainha da noite, de João Paulo Borges Coelho. In A. M. Ferreira & M. F. Brasete (Eds.), Pelos mares da língua portuguesa 2 (pp. 43-52). Aveiro: UA Editora.

Ferreira, M. (1967/1985). A aventura crioula. Lisboa: Plátano Editora.

Ferreira, M. (1989). O discurso no percurso africano I (1.ª ed.). Lisboa: Plátano.

Ferreira, V. (2005). Aparição. Lisboa: Bertrand Editora.

Freyre, G. (1952). Aventura e rotina. Lisboa: Livros do Brasil.

Freyre, G. (1961). O luso e o trópico: sugestões em torno dos métodos portugueses de integração de povos autóctones e de culturas diferentes da europeia num complexo novo de civilização. Lisboa: Comissão Executiva das Comemorações do Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique.

Gomes, S. C. (2008). Cabo Verde: literatura em chão de cultura. São Paulo: Ateliê Editorial.

Gonçalves, P. (2011). Português e línguas bantu na construção de uma identidade cultural moçambicana. Savana - semanário independente, p. 2.

Hamilton, R. (1984). Literatura africana, literatura necessária II – Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe. Lisboa: Edições 70.

Kierkegaard, S. (1959). Temor e tremor. Lisboa: Guimarães Editores.

Laranjeira, J. L. P. (1995). A negritude africana de língua portuguesa. Porto: Edições Afrontamento.

Leite, A. M. (2002). A fraternidade das palavras. Via Atlântica, 5, 21-28. https://doi.org/10.11606/va.v0i5.49718

Lukács, G. (1989). Teoria do romance. Lisboa: Presença.

Lukács, G. & Bakhtin, M. M. (1976). Problemi di teoria del romanzo. Torino: Giulio Einaudi.

Lopes, B. (1967/1985). Prefácio. In M. Ferreira, A aventura crioula. Lisboa: Editora Ulisseia.

Lopes, M. (1997). Chuva braba. Lisboa: Caminho.

Machado, Á. M. & Pageaux, D-H. (2001). Da literatura comparada à teoria da literatura. Lisboa: Editorial Presença.

Mapera, M. J. C. (2014). Realismo e lirismo em Terra sonâmbula, de Mia Couto, e Chuva braba, de Manuel Lopes. Tese de Doutoramento, Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal. Retirado de http://hdl.handle.net/10773/12369

Margarido, A. (2010). A antologia da ficção caboverdiana contemporânea. In F. Bettencourt & A. Silva (Org.), Claridade: a palavra dos outros (pp. 71-75). Praia: Instituto da Biblioteca Nacional e do Disco.

Martins, M. L. (2011). O que podem as imagens. Trajecto do uno ao múltiplo. In M. L. Martins; J. B. de Miranda; M. Oliveira & J. Godinho (Eds.), Imagem e pensamento (pp. 129-135). Coimbra: Gráfica Editor.

Matusse, G. (1998). A construção da imagem de moçambicanidade em José Craveirinha, Mia Couto e Ungulani Ba Ka Khosa. Maputo, Moçambique. Maputo: Livraria Universitária.

Mazula, B. (1995). Educação, cultura e ideologia em Moçambique. Lisboa: Afrontamento.

Motta, J. F. (2004). Literatura moçambicana dos séculos XIX e XX. Braga: Edições APPACDM.

Ribeiro, O. (1997). A Ilha do Fogo e as suas erupções. Lisboa: Comissão Nacional Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

Silva, R. da. (2000). Percurso da narrativa literária moçambicana: entre a história e a ficção. Teste de doutoramento, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Trigo, S. (s.d.). Ensaios de literatura comparada afro-luso-brasileira. Lisboa: Vega.

Wellek, R. & Werren, A. (1971). Teoria da literatura. Lisboa: Publicações Europa-América.

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Mapera, M. (2020). Crítica à realidade em Terra sonâmbula e Chuva braba: cultura, lirismo e memórias. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(2), 149-166. https://doi.org/10.21814/rlec.2645