Educação Inclusiva na Contemporaneidade à Luz da Teoria Crítica da Sociedade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3528

Palavras-chave:

educação inclusiva, teoria crítica da sociedade, formação cultural, deficiência, educação

Resumo

A proposta de educação inclusiva, iniciada no final do século passado, obteve maior efervescência na primeira década do século vigente, conforme verificamos no âmbito das pesquisas, estudos e promulgações legislativas. Todavia, no Brasil, assim como em muitos países do mundo, o processo educacional de pessoas com deficiência ainda é permeado por muita precariedade, evidenciada tanto pela indisponibilidade de recursos e serviços básicos de acessibilidade, quanto pela manutenção de crenças e atitudes que impedem a inclusão educacional digna dessas pessoas. O presente artigo visa refletir acerca da inclusão educacional das pessoas com deficiência no contexto contemporâneo, tomando como referência a teoria crítica da sociedade, sobretudo os estudos de Adorno (1970/1995, 1972/2010). Analisa-se, também, no decorrer deste trabalho a necessidade de ampliação do olhar em relação a essa temática para além das especificidades que possuem as pessoas com deficiência. Ademais, buscou-se, paralelamente, apontar a necessidade de fomentar no ambiente educacional uma formação que permita ao indivíduo reconhecer a humanidade contida em todos(as) e em cada um(a). Considera-se que isso só será verdadeiramente possível quando os sistemas educacionais assumirem o compromisso com a formação de valores humanos que nos despertem a perceber nos outros semelhanças e diferenças como aspectos naturais da diversidade humana que nos constitui. Esta mudança depende, em grande medida, de uma verdadeira formação, amparada na autorreflexão crítica dos indivíduos e da sociedade, concomitantemente. Do contrário, ficaremos cada vez mais expostos à barbárie, resultante de uma pseudoformação/semiformação, que ainda impera na maioria das nossas instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Jaciete Barbosa dos Santos, Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, Brasil

Jaciete Barbosa dos Santos é doutora em educação e contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), graduada em pedagogia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), mestre em educação especial (UEFS). Atualmente é professora titular do Departamento de Educação da UNEB (Campus I/Salvador-Bahia), professora do programa de pós-graduação em educação e contemporaneidade (UNEB) e do Centro de Educação Especial da Bahia.

Jenifer Satie Vaz Ogasawara, Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, Brasil

Jenifer Satie Vaz Ogasawara é doutoranda do programa de pós-graduação em educação e contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), mestra em educação e contemporaneidade pela mesma universidade. Possui graduação em psicologia pela Universidade Salvador (Unifacs) e em pedagogia pela UNEB. Atualmente atua como professora da rede básica de ensino da prefeitura municipal de Salvador.

Referências

Adorno, T. W. (1995). Educação e emancipação (W. L. Maar, Trad.). Paz e Terra. (Trabalho original publicado em 1970)

Adorno, T. W. (2010). Teoria da semiformação (N. Ramos-de-Oliveira, Trad.). In B. Pucci, A. A. S. Zuin, & L. A. C. N. Lastória (Eds.), Teoria crítica e inconformismo: Novas perspectivas de pesquisa (pp. 8–44). Autores Associados. (Trabalho original publicado em 1972)

Ainscow, M. (2009). Tornar a educação inclusiva: Como esta tarefa deve ser conceituda? In O. Fávero, F. Windyz, T. Irealand, & D. Barreiros (Eds.), Tornar a educação inclusiva (pp. 11–23). UNESCO.

Bueno, J. G. S. (2008). As políticas de inclusão escolar: Uma prerrogativa da educação especial? In J. G. S. Bueno, G. M. L Mendes, & R. A. dos Santos (Eds.), Deficiência e escolarização: Novas perspectivas de análises (pp. 43–63). Junqueira&Marin.

Calvino, I. (2007). Por que ler os clássicos (N. Moulin, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1991)

Crochick, J. L. (2011). Preconceito e inclusão. WebMosaica Magazine, 3(1), 32–42. https://seer.ufrgs.br/webmosaica/article/view/22359

Crochick, J. L., Costa, V. A., & Faria, D. F. (2020). Contradições e limites das políticas públicas de educação inclusiva no Brasil. Educação: Teoria e Prática, 30(63). https://doi.org/10.18675/1981-8106.v30.n.63.s14628

Crochick, J. L. Kohatsu, L. N., Dias, M. A. L., Freller, C. C., & Casco, R. (2013). Inclusão e discriminação na educação escolar. Alínea.

Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 10 de junho, 1994, http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Declaração Mundial Sobre Educação Para Todos, 5–9 de março, 1990, https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990

Declaração Universal dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, 1948, https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139423

Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009 (2009). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm

Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001 (2001). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3956.htm

Dutra, C. P., Griboski, C. M., Alves, D. de O., & Barbosa, K. A. M. (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Gil, G. (1976). Queremos saber [Música]. In O viramundo, vol 2. PolyGram.

Horkheimer, M., & Adorno, T. W. (1973). Temas básicos da sociologia (Á. Cabral, Trad.). Cultrix. (Trabalho original publicado em 1956)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2010). Censo escolar 2010: Visão geral dos principais resultados. Ministério da Educação. https://download.inep.gov.br/download/censo/2010/apresentacao_divulgacao_censo_2010.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2021). Censo da educação básica 2020: Resumo técnico. Ministério da Educação. https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/resumo_tecnico_censo_escolar_2020.pdf

Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (2015). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Martins, J. de S. (1997). Exclusão social e a nova desigualdade. Paulus.

Mittler, P. (2003). Educação inclusiva: Contextos sociais (W. B. Ferreira, Trad.). Artmed. (Trabalho original publicado em 2000)

Pacheco, J., Eggertsdóttir, R., & Marinósson, G. L. (2007). Caminhos para a inclusão: Um guia para o aprimoramento da equipe docente. Artmed.

Rodríguez, L. M. (2012). El panorama latino-americano de las prácticas inclusivas. In Z. J. Cúpich, S. L. V. López, & L. M. Rodríguez (Eds.), Sujeto, educación especial e integración (Vol. VIII, pp. 67–91). Universidad Estatal a Distancia de Costa Rica; Universidad Nacional Autónoma de México.

Silva, A. M. M. (2015). A formação docente na perspectiva da educação inclusiva e a relação com os direitos humanos. In V. A. da Costa & A. M. M. Silva (Eds.), Educação inclusiva e direitos humanos: Perspectivas contemporâneas (pp. 91–116). Cortez Editora.

Siqueira, B. A. (2008). Inclusão de crianças deficientes mentais no ensino regular: Limites e possibilidades de participação em sala de aula. In J. G. S. Bueno, G. M. L. Mendes, & R. A. dos Santos, (Eds.). Deficiência e escolarização: Novas perspectivas de análises (pp. 301–347). Junqueira&Marin.

Veloso, C. (1986). Dom de iludir [Música]. In Totalmente demais. PolyGram.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Santos, J. B. dos, & Ogasawara, J. S. V. (2021). Educação Inclusiva na Contemporaneidade à Luz da Teoria Crítica da Sociedade. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(2), 63-78. https://doi.org/10.21814/rlec.3528