Políticas de Educação Inclusiva e Práxis Pedagógica na Escola Pública: Experiências no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3484

Palavras-chave:

políticas públicas, educação inclusiva, práxis pedagógica, escola pública

Resumo

Este artigo refere-se aos resultados de uma pesquisa sobre a implementação de políticas públicas de educação inclusiva e as experiências de inclusão escolar de estudantes com deficiência visual na Escola Municipal Adelino Magalhães, localizada em Niterói, estado do Rio de Janeiro, e tem por objetivo central caracterizar as experiências sobre a práxis pedagógica com estudantes com deficiência visual considerados em situação de inclusão. O referencial teórico-metodológico adotado na problematização do objeto de estudo e análise dos dados foi a teoria crítica da sociedade. Participaram do estudo: dois estudantes com deficiência visual considerados em situação de inclusão, uma professora da sala de aula inclusiva, uma professora da sala de recursos multifuncionais e uma professora de apoio pedagógico à inclusão escolar. Os resultados revelaram que a Escola Municipal Adelino Magalhães está desenvolvendo a educação inclusiva, sobretudo em decorrência da implementação das políticas públicas de educação no município de Niterói, que estabelecem como prioridade a inclusão escolar de estudantes com deficiência. Foi constatado que a educação inclusiva demanda compromisso político-pedagógico coletivo de professores, gestores e familiares em prol da escola pública e de sua democratização. Consequentemente, a educação inclusiva possibilita experiências de ensino e aprendizagem solidárias, centradas na humanização de estudantes com deficiência, tornando-os, assim, aptos a se reconhecerem como partícipes da sociedade, na qual impera a violência presente na competitividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Michelli Agra, Investigadora autônoma, Niterói, Brasil

Michelli Agra é professora de educação física, colaboradora no projeto de extensão Natação Adaptada na Universidade Federal Fluminense (UFF). Michelli Agra tem especialização em educação física escolar (UFF), é mestre em educação — políticas públicas e movimentos instituintes em educação (UFF) e doutora em educação — políticas, educação, formação e sociedade (UFF). Faz parte do grupo de pesquisa Políticas em Educação: Formação, Cultura e Inclusão (UFF).

 

Valdelúcia Alves da Costa, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil

Valdelúcia Alves da Costa é professora titular da UFF e docente da Faculdade de Educação; Departamento de Sociedade, Educação e Conhecimento; programa de pós-graduação em educação. É líder do grupo de pesquisa Políticas em Educação: Formação, Cultura e Inclusão (UFF) e integra o grupo de pesquisa Estudos Sobre Violência Escolar: Bullying e Preconceito. É coordenadora do projeto de pesquisa Políticas Públicas de Educação: Experiências de Formação, Inclusão e Violência na Escola Pública e do Observatório de Educação da UFF: Violência, Inclusão e Direitos Humanos.

Referências

Adorno, T. W. (1995). Palavras e sinais: Modelos críticos 2 (M. H. Ruschel, Trad.). Vozes. (Trabalho original publicado em 1969)

Adorno, T. W. (2010). Educação e emancipação (W. L. Maar, Trad.). Paz e Terra. (Trabalho original publicado em 1970)

Agra, M. (2015). Democratização da educação na escola pública: Inclusão de estudantes com deficiência visual [Dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense].

Alves, D. de O., Alves, M. de O., Dutra, C. P., & Griboski, C. M. (2006). Sala de recursos multifuncionais: Espaços para atendimento educacional especializado. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Especial.

Costa, V. A. da. (2007). Os processos de inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais: Políticas e sistemas. Editora UNIRIO.

Crochick, J. L., Freller, C. C., Marian, Á. de L., Feffermann, M., Nascimento, R. B., & Casco, R. (2011). Atitudes de professores em relação à educação inclusiva. In J. L. Crochick (Ed.), Preconceito e educação inclusiva (pp. 193–217). SDH/PR.

Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011 (2011). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm

Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 (2015). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

Leme, E. S., & Costa, V. A. da. (2016). Educação, inclusão e direitos humanos: Como esse estuário desaguou na escola? Revista Educação Especial, 29(56), 667–680. https://doi.org/10.5902/1984686X10078

Portaria FME nº 878/2009 (2009).

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Agra, M., & Costa, V. A. da. (2021). Políticas de Educação Inclusiva e Práxis Pedagógica na Escola Pública: Experiências no Brasil. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(2), 21-39. https://doi.org/10.21814/rlec.3484