Biopolíticas da Luz nas Cidades Modernas e Contemporâneas: Do Olhar–Luz Disciplinar às Luzes Operacionais de Controle

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.3211

Palavras-chave:

biopolítica, genealogia, luz, mídia, política

Resumo

Neste artigo, buscaremos explicitar algumas das relações entre luz e biopolítica na cidade moderna e na contemporânea. Consideramos a luz como uma estimulação externa capaz não apenas de atingir e sensibilizar os corpos como também de agir, de diversas formas e em diferentes graus, sobre eles. A partir dessa premissa, nos perguntaremos de que maneira, na modernidade e na contemporaneidade, as materialidades e práticas luminosas do espaço urbano teriam a capacidade de influenciar, determinar, capturar, vigiar, disciplinar e controlar as opiniões, discursos e práticas dos indivíduos. Com o intuito de esboçar alguns elementos parciais de resposta a essa abrangente problemática, buscaremos demonstrar, em um primeiro momento, de que maneira a iluminação pública da Paris moderna poderia ser encarada como uma tecnologia disciplinar. Em seguida, nos perguntaremos de que modo a luz poderia, ainda na contemporaneidade, participar de diversas estratégias de poder. A partir de Paul Virilio (2002), argumentaremos que houve um deslocamento nas estratégias de controle por meio da luz em relação a épocas anteriores. Retomando uma distinção proposta pelo autor, queremos delinear dois regimes: o primeiro, oriundo da modernidade, que se caracterizaria pelo emprego de “luz direta”; ao qual se acrescentaria hoje um segundo regime de “luz indireta”, próprio às sociedades de controle. Desse modo, procuraremos desnaturalizar nossa relação com a luz, no contexto da cultura ocidental, e reconhecer seu protagonismo ao serviço de foto-políticas, termo que propomos para designar algumas das instrumentalizações (bio)políticas da luz. Por fim, analisando obras e práticas luminosas insurgentes da contemporaneidade, buscaremos refletir sobre possíveis estratégias através das quais poderiam ser erguidas contraluzes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abufom Silva, P. (2020, 4 de março). Los seis meses que transformaron Chile: Balance transitorio de la revuelta contra la precarización de la vida. Rebelión. https://rebelion.org/los-seis-meses-que-transformaron-chile/

Benjamin, W. (2009). Passagens (I. Aron & C. P. B.Mourão, Trad.). UFMG. (Trabalho original publicado em 1982)

Boileau, N. (1872). Œuvres poétiques de Boileau, tome premier. Publication de l’Imprimerie Générale. https://fr.wikisource.org/wiki/Boileau_-_%C5%92uvres_po%C3%A9tiques/Satires/Satire_VI

Canelo, T. [@tribitrip]. (2019, 14 de dezembro). Fotografias das manifestações chilenas em Santiago [Fotografias]. https://www.instagram.com/p/B6DMl2xJyM3/

Crary, J. (2016). 24/7 Capitalismo tardio ou os fins do sono (J. Toledo Jr., Trad.). Ubu Editora. (Trabalho original publicado em 2013)

Deleuze, G. (2013). Conversações. Editora 34.

Delumeau, J. (2009). História do medo no ocidente 1300-1800 (M. L. Machado, Trad.). Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1978)

Dewey-Hagborg, H. (s.d.-a). Stanger visions. https://deweyhagborg.com/projects/stranger-visions

Dewey-Hagborg, H. (s.d.-b). The official biononymous guidebooks. https://deweyhagborg.com/projects/the-official-biononymous-guidebooks

Ehmann, A., Espada, H., & Barzon, M. (2019). Catálogo da exposição ‘Harun Farocki: quem é responsável?’. Instituto Moreira Salles.

Farocki, H. (Realizador). (2003). Erkennen und Verfolgen [Filme]. Harun Farocki Filmproduktion.

Farocki, H. (Realizador). (2004). Gegen-Musik [Filme]. Harun Farocki Filmproduktion; Le Fresnoy.

Figuier, L. (1867). Les merveilles de la science. https://fr.wikisource.org/wiki/Livre:Figuier_-_Les_Merveilles_de_la_science,_1867_-_1891,_Tome_4.djvu

Fœssel, M. (2017). La nuit: Vivre sans témoin. Éditions autrement.

Foucault, M. (1999). Vigiar e punir: Nascimento da prisão (M.T. C. Albuquerque & J. A. G. Albuquerque, Trad.). Editora Vozes. (Trabalho original publicado em 1975)

Hourdeaux, J. (2020, 17 de novembro). Loi «sécurité globale»: Un patchwork sécuritaire examiné à l’Assemblée. Mediapart. https://www.mediapart.fr/journal/france/171120/loi-securite-globale-un-patchwork-securitaire-examine-l-assemblee

Juazeiro do Norte. (2018, 6 de novembro). Juazeiro do Norte lança projeto de PPP para ‘smart city’. https://www.juazeirodonorte.ce.gov.br/noticia/5553-juazeiro-do-norte-lanca-projeto-de-ppp-para-smart-city/

Machado, R. (2019). Por uma genealogia do poder. In M. Foucault, Microfísica do poder (pp. 7–34). Paz & Terra.

Número de usuários únicos de celular chega a cinco bilhões no mundo. (2018, 27 de fevereiro). O Globo. https://oglobo.globo.com/economia/numero-de-usuarios-unicos-de-celular-chega-cinco-bilhoes-no-mundo-22436866

Preciado, P. B. (2020). Aprendendo do vírus (A. L. Braga & D. Kraus, Trad.). n-1 edições. https://www.n-1edicoes.org/textos/26

Schivelbusch, W. (1993). La nuit désenchantée (A. Weber, Trad.). Éditions Gallimard. (Trabalho original publicado em 1983)

Sibilia, P. (2002). O homem pós-orgânico. Corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Relume Dumará.

Vertov. D. (Realizador). (1929). Man with a movie camera [Filme]. All-Ukrainian Photo Cinema Administration.

Virilio, P. (1994). A máquina de visão (P. R. Pires, Trad.). José Olympio Editora. (Trabalho original publicado em 1988)

Virilio, P. (2002). L´inertie polaire. Christian Bourgois Editeur.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

d’Artemare, A. N. G. (2021). Biopolíticas da Luz nas Cidades Modernas e Contemporâneas: Do Olhar–Luz Disciplinar às Luzes Operacionais de Controle. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 8(1), 17-41. https://doi.org/10.21814/rlec.3211