A pintura artística em espaços urbanos tombados no Brasil: limites e possibilidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.2125

Palavras-chave:

Direito Ambiental, patrimônio cultural, preservação

Resumo

As cidades nascem para possibilitar a convivência das pessoas e o compartilhamento de sua vida cotidiana. Como habitat, são palcos para manifestações as mais variadas, inclusive artísticas, reveladas por suas formas arquitetônicas, pelos estilos de vida, e pela percepção e atitudes ambientais daqueles que nelas habitam. Algumas cidades tornam-se monumentos e frações do seu espaço, passam a ser regidas por normas especiais e diferenciadas, mais restritivas. O tombamento estabelece um regime diferenciado de exercício do direito de propriedade, com obrigações para proprietários e vizinhos, que o tornam um espaço de exceção. Neste artigo discute-se como compatibilizar as manifestações artísticas, em especial a pintura em imóveis tombados, com o objetivo de pontuar as principais questões e estabelecer delineamento legal das normas de preservação sobre a matéria. O resultado esperado é contribuir para uma melhor compreensão do tema através de um panorama e da contextualização da discussão, bem como de documentos legislativos e bibliografia pertinente, com foco na compreensão dos limites para a atuação da fiscalização pela Administração Pública brasileira na compatibilização entre a preservação de bens culturais e a efetivação da democracia e exercício de direitos culturais. A metodologia de pesquisa consistiu em pesquisa bibliográfica, realizada através da análise de livros, artigos científicos, de revista e pesquisa documental quanto à legislação específica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baudrillard, J. (1976). Kool killer ou l’insurrection par le signs In J. Baudrillard, L’echange symbolique et la mort (pp. 118-128). Paris: Gallimard.

Baudrillard, J. (2006). O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva.

Dantas, F. S. (2015). O patrimônio cultural protegido pelo Estado Brasileiro. In J. B. Campos, D. R. Preve & I. F. Souza (Eds.), Patrimônio cultural, direito e meio ambiente: um debate sobre a globalização, cidadania e sustentabilidade (pp.31-54). Curitiba: Multideia.

Decreto-Lei nº 25/37, de 30 de novembro, República Federativa do Brasil.

Lei nº 6938/81, de 31 de agosto, República Federativa do Brasil.

Lei nº 9605/98, 12 de fevereiro, República Federativa do Brasil.

Lei nº 9985/2000, 18 de julho, República Federativa do Brasil.

Lei nº 16292/97, de 29 de janeiro, Município de Recife.

Lei nº 14239/80, de 17 de dezembro, Município de Recife.

Leminski, P. (2013). Sol-te. In P. Leminski, Toda poesia. São Paulo: Companhia das Letras.

Miranda, M. P. de S. (2014). Lei do tombamento comentada: doutrina, jurisprudência e normas complementares. Belo Horizonte: Del Rey.

Motta, L. & Thompson, A. (2010). Entorno de bens tombados. Rio de Janeiro: IPHAN.

Santos, A. S. R. (2001). Proteção jurídica da estética urbana. Boletim de Direito Administrativo, 11, 942-943.

Sanches, L. P. (2009). Paisagem e meio ambiente. In F. Ahmed & R. Coutinho (Eds.), Patrimônio cultural e sua tutela jurídica (pp. 71-91). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes de valores do meio ambiente. São Paulo, Rio de Janeiro: Difel.

Unesco. (2009). El patrimônio de la Humanidade - descripciones y mapas de localización de los 878 sítios patrimônio da humanidade de la Unesco. Barcelona: Blume.

##submission.downloads##

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Dantas, F. S. (2020). A pintura artística em espaços urbanos tombados no Brasil: limites e possibilidades. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(1), 207-223. https://doi.org/10.21814/rlec.2125