Pensamentos no gerúndio, como docente, artista, curadora

Autores

  • Maria do Carmo Nino Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.21814/rlec.259

Palavras-chave:

Arte, museu, desconstrução, diálogo

Resumo

Apresento um relato da minha experiência enquanto produtora de trabalho artístico, curadora de exposições, analista cultural e artística. Neste artigo será dada particular relevância a duas experiências artísticas – Projeto MAMÃE, com reflexão em torno da obra Olho Mágico, e a Exposição ContidoNãoContido. A obra Olho Mágico surge como comentário autorreferencial, paródico. A transformação de uma parede cega em uma espécie de janela, como que intermedeia os possíveis diálogos entre o que se percebe como espaço interior e exterior. Na exposição ContidoNãoContido procuramos suscitar no visitante a necessidade de desconstruir criticamente a “reverência de tom forçado” frequentamente associada ao museu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2017-12-28

Como Citar

Nino, M. do C. (2017). Pensamentos no gerúndio, como docente, artista, curadora. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 4(2), 329-. https://doi.org/10.21814/rlec.259