Stalder, F. (2018). The digital condition. Cambridge: Polity Press.

  • Helena Barranha Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa, Portugal/ Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0003-0250-1020

Resumo

Ao longo das últimas décadas, a palavra “digital” tornou-se recorrente nos mais diversos discursos e meios de comunicação. Usada tanto como substantivo como para qualificar diferentes ações, produtos e experiências, passou a fazer parte do léxico quotidiano surgindo, ao mesmo tempo, como palavra-chave em inúmeros projetos e artigos científicos. Em conjunto, estas distintas abordagens contribuíram para um consenso generalizado em torno da ideia de que as tecnologias digitais condicionam todas as esferas da vida contemporânea. Mas o que caracteriza, exatamente, a “condição digital” em que vivemos? Se a questão era já pertinente em 2016, quando a primeira edição do livro de Felix Stalder foi lançada, a sua relevância é hoje ainda mais evidente...

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Castells, M. (2001/2004). A galáxia internet. Reflexões sobre internet, negócios e sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Gere, C. (2002/2008). Digital culture. Londres: Reaktion Books.

Lyotard, J.-F. (1979). A condição pós-moderna. Paris: Les Éditions de Minuit.

Olson, M. (2011/2015). Pós-internet: a arte depois da internet. In H. Barranha, S. S. Martins & A. P. Ribeiro (Eds.), Museus sem lugar: ensaios, manifestos e diálogos em rede (pp. 123-136). Lisboa: Instituto de História da Arte, FCSH Universidade Nova de Lisboa. Retirado de http://unplace.org/sites/default/files/museus_sem_lugar.pdf

Pepi, M. (2011) Iconology in the age of the algorithm. Artwrit, VI. Retirado de http://www.artwrit.com/article/iconology-in-the-age-of-the-algorithm/

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Barranha, H. (2020). Stalder, F. (2018). The digital condition. Cambridge: Polity Press. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(1), 293-299. https://doi.org/10.21814/rlec.2679