Para uma metodologia visual em ação na investigação-criação: o exemplo de SORODAS

Palavras-chave: SORODAS, investigação-criação, arte digital, hipermédia, Mayotte

Resumo

Este texto apresenta uma metodologia em funcionamento no Departamento de Comunicação Hipermédia da Universidade Savoie Mont Blanc, França, que se baseia, há vários anos, numa estreita colaboração entre as Ciências da Informação/Comunicação e as Ciências da Arte, a fim de permitir a produção de dispositivos inovadores na investigação-criação de artes digitais, nomeadamente dispositivos construídos em hipermédia. Um testemunho desta estratégia é a obra SORODAS de Carole Brandon, planeada para o Atelier-Laboratoire IDÉFI-CréaTIC[S] Langue[S] & Patrimoine[S], que seria deslocalizado para as ilhas de Mayotte no Oceano Índico, em 2018. Mesmo que a viagem da equipa deste projeto tenha sido finalmente cancelada dois dias antes da partida, devido a eventos e manifestações ocorridos na ilha, este dispositivo hipermédia e artístico foi acompanhado por um longo trabalho preliminar interdisciplinar, de pesquisa em antropologia visual e metodologia de projeto, conduzida em conjunto pela equipa de Ghislaine Chabert e Carole Brandon. Contando com a colaboração dos alunos do Mestrado Digital Creation, este território de Mayotte, difícil de circunscrever devido ao seu afastamento geográfico e ao seu passado tumultuoso, não poderia decentemente ser abordado sem diversas precauções entretanto tomadas. O presente texto inclui uma amostra dos resultados obtidos, apresentados parcialmente num estilo de escrita inspirado na linguagem das redes sociais e experimentado no projeto. Por exemplo, os autores escrevem “®ver” em vez de “rever”, para sublinhar a dualidade do processo de “(re)visão” no tempo. Ou por vezes substituem os parêntesis simples ( ) por (-! !-), ou seja, usam a notação emojis, formada por ideogramas e smylies, muito frequente no ciberespaço e nas redes sociais digitais.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Borges, J. L. (1983). La loterie à Babylone. In Fictions (pp. 61-70). Paris: Éditions Gallimard.

Brandon, C. (2016). L’Entre [corps/machine]: la princesse et son Mac. Tese de doutoramento, Université Paris 1 - Panthéon-Sorbonne, Paris, França. Retirado de https://hal.archives-ouvertes.fr/tel-02111485

Brandon, C. (2002). Mille Sabords ou les origines de la vidéo dans la peinture. Dissertação de Mestrado, Université Jean Monnet, Saint-Étienne, França.

Eco U. (1997). Kant et l’ornithorynque. Paris: Éditions Grasset.

Foucault, M. (2001). Le jeu de Michel Foucault. In Dits et écrits II (pp. 62-93). Paris: Éditions Gallimard.

Foucault, M. (1979). Histoire de la sexualité, tome I. Paris: Éditions Gallimard, Paris.

Foucault, M. (1984a). Histoire de la sexualité, tome II. Paris: Éditions Gallimard, Paris.

Foucault, M. (1984b). Histoire de la sexualité, tome III. Paris: Éditions Gallimard, Paris.

Foucault, M. (1993). Surveiller et punir. Paris: Éditions Gallimard.

“Kwassa-kwassa”: les Comoriens exigent des excuses de Macron, qui prône “l’apaisement”. (2017, 05 de junho). Le Monde. Retirado de https://www.lemonde.fr/afrique/article/2017/06/05/apres-les-propos-choquants-de-macron-les-comoriens-exigent-des-excuses_5139073_3212.html

Lamboux-Durand, A. (2017). Appréhender les biais de l’audiovisuel pour une analyse scientifique appropriée des situations enregistrées. Cuadernos Artesanos de Comunicación, 136, 27-46. Retirado de http://www.cuadernosartesanos.org/2017/cac136.pdf

Parvard, B. (2010). Qui sont les 343 du manifeste d’avril 1971? In C. Bard (Ed.), Les féministes de la deuxième vague (pp. 71-84). Renes: PUR.

Pharo, P. (2000). Le sens objectif des faits sociaux. Revue européenne des sciences sociales, 38(119). https://doi.org/10.4000/ress.679

Roger, P. (2019, 21 de outubro). Mayotte : au cœur du voyage de Macron, la question de l’immigration. Le Monde. Retirado de https://www.lemonde.fr/politique/article/2019/10/21/l-immigration-clandestine-au-c-ur-de-la-visite-de-macron-a-mayotte_6016370_823448.html

Soudan, F. (2010). Penombra. Dissertação de Mestrado, Université Paris 1 - Panthéon-Sorbonne, Paris, França.

Veyrat, M. (2015). eSPACE. In G. Azémard (Ed.), 100 Notions pour l’Art Numérique(pp.86-88). Paris: Les Éditions de l’Immatériel. Retirado de http://www.100notions.com

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Brandon, C., & Veyrat, M. (2020). Para uma metodologia visual em ação na investigação-criação: o exemplo de SORODAS. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(1), 149-164. https://doi.org/10.21814/rlec.2302