A economia moral do turismo

Palavras-chave: turista global pré-moderno e moderno, experiência turística, compacto turístico moderno, pacotes turísticos, excesso de turismo

Resumo

Neste artigo, sugiro que a indústria do turismo mundial está mobilizada em torno de um núcleo, a atração turística, que está afastada e protegida do intercâmbio económico. Se o turismo é, de facto, a maior indústria do mundo, é por causa e não a despeito da separação da sua principal estrutura motivacional e moral do mercado. Aqui exploro as implicações do facto de que o sistema global de atrações turísticas é uma enorme coleção de “bens gratuitos” democráticos, abertos e disponíveis para todos verem. A indústria do turismo depende desta oferta interminável de atrações de livre acesso, mantidas por governos, ONG e/ou simplesmente existentes na sociedade e na natureza. A indústria do turismo mundial só pode prosperar se a sua estrutura moral e motivacional permanecer isolada das transações do mercado. O Taj Mahal, a Torre Eiffel, o Partenon, o Grand Canyon, a Estátua da Liberdade, as Montanhas Karakorum, etc., não estão à venda. Mais de mil milhões de turistas gastam 1,5 biliões de dólares por ano para viajar internacionalmente e ver coisas que não podem comprar ou ter no sentido material; que ninguém, por mais rico que seja, pode comprar; que muitas vezes nem conseguem tocar. A enormidade do turismo hoje é possível apenas porque as forças causais que estão no coração da economia do turismo são inteiramente imaginárias e simbólicas. Na sua essência, a economia turística é menos económica do que fenomenológica. E o principal impulso do turismo, a sua motivação mais profunda, não é materialista, mas democrática. O overtourism (excesso de turismo) resulta da própria indústria que explora agressivamente o facto de que não implica matérias-primas, não necessita de desenvolver cadeias de fornecimento, não precisa de fábricas e não se envolve em qualquer conceção, fabrico, montagem ou distribuição. O consumidor trabalha de graça, na realidade, paga para fazer o trabalho do turismo e torna-se o produto. Estas eficiências neoliberais levam ao overtourism. O overtourism pode ser facilmente controlado ao nível local.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Davis, R. C. & Marvin, G. R. (2004). Venice: the tourist maze. Berkeley: University of California Press.

Fisher, R. (2012). Fodor’s greece. Nova Iorque: Random House.

MacCannell, D. (2011). The ethics of sightseeing. Berkeley: University of California.

Seferis, G. (1997). Delphi. In A. Leonites (Ed.), Greece: a traveler’s literary companion (pp. 84-99). Berkeley: Whereabouts.

Sessa, A. (1983). Elements of tourism economics. Roma: Catal.

Stendhal (1962). Memoirs of a tourist. Evanston: Northwestern University Press.

Tegtmeyer, L. (2016). Tourism aesthetics in ruinscapes: bargaining cultural and monetary values of Detroit’s negative image. Tourist Studies, 16(4), 462-477. https://doi.org/10.1177/1468797615618100

Wall-Reinius, S., Ioannides, D. & Zampoukos, K. (2019). Does geography matter in all-Inclusive resort tourism? Marketing approaches of Scandinavian tour operators. Tourism Geographies, 21(5), 766-784. https://doi.org/10.1080/14616688.2017.1375975

Publicado
2020-06-29
Como Citar
MacCannell, D. (2020). A economia moral do turismo. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(1), 21-38. https://doi.org/10.21814/rlec.2211