A pintura artística em espaços urbanos tombados no Brasil: limites e possibilidades

Palavras-chave: Direito Ambiental, patrimônio cultural, preservação

Resumo

As cidades nascem para possibilitar a convivência das pessoas e o compartilhamento de sua vida cotidiana. Como habitat, são palcos para manifestações as mais variadas, inclusive artísticas, reveladas por suas formas arquitetônicas, pelos estilos de vida, e pela percepção e atitudes ambientais daqueles que nelas habitam. Algumas cidades tornam-se monumentos e frações do seu espaço, passam a ser regidas por normas especiais e diferenciadas, mais restritivas. O tombamento estabelece um regime diferenciado de exercício do direito de propriedade, com obrigações para proprietários e vizinhos, que o tornam um espaço de exceção. Neste artigo discute-se como compatibilizar as manifestações artísticas, em especial a pintura em imóveis tombados, com o objetivo de pontuar as principais questões e estabelecer delineamento legal das normas de preservação sobre a matéria. O resultado esperado é contribuir para uma melhor compreensão do tema através de um panorama e da contextualização da discussão, bem como de documentos legislativos e bibliografia pertinente, com foco na compreensão dos limites para a atuação da fiscalização pela Administração Pública brasileira na compatibilização entre a preservação de bens culturais e a efetivação da democracia e exercício de direitos culturais. A metodologia de pesquisa consistiu em pesquisa bibliográfica, realizada através da análise de livros, artigos científicos, de revista e pesquisa documental quanto à legislação específica.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Baudrillard, J. (1976). Kool killer ou l’insurrection par le signs In J. Baudrillard, L’echange symbolique et la mort (pp. 118-128). Paris: Gallimard.

Baudrillard, J. (2006). O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva.

Dantas, F. S. (2015). O patrimônio cultural protegido pelo Estado Brasileiro. In J. B. Campos, D. R. Preve & I. F. Souza (Eds.), Patrimônio cultural, direito e meio ambiente: um debate sobre a globalização, cidadania e sustentabilidade (pp.31-54). Curitiba: Multideia.

Decreto-Lei nº 25/37, de 30 de novembro, República Federativa do Brasil.

Lei nº 6938/81, de 31 de agosto, República Federativa do Brasil.

Lei nº 9605/98, 12 de fevereiro, República Federativa do Brasil.

Lei nº 9985/2000, 18 de julho, República Federativa do Brasil.

Lei nº 16292/97, de 29 de janeiro, Município de Recife.

Lei nº 14239/80, de 17 de dezembro, Município de Recife.

Leminski, P. (2013). Sol-te. In P. Leminski, Toda poesia. São Paulo: Companhia das Letras.

Miranda, M. P. de S. (2014). Lei do tombamento comentada: doutrina, jurisprudência e normas complementares. Belo Horizonte: Del Rey.

Motta, L. & Thompson, A. (2010). Entorno de bens tombados. Rio de Janeiro: IPHAN.

Santos, A. S. R. (2001). Proteção jurídica da estética urbana. Boletim de Direito Administrativo, 11, 942-943.

Sanches, L. P. (2009). Paisagem e meio ambiente. In F. Ahmed & R. Coutinho (Eds.), Patrimônio cultural e sua tutela jurídica (pp. 71-91). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes de valores do meio ambiente. São Paulo, Rio de Janeiro: Difel.

Unesco. (2009). El patrimônio de la Humanidade - descripciones y mapas de localización de los 878 sítios patrimônio da humanidade de la Unesco. Barcelona: Blume.

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Dantas, F. (2020). A pintura artística em espaços urbanos tombados no Brasil: limites e possibilidades. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 7(1), 207-223. https://doi.org/10.21814/rlec.2125