As políticas culturais como um campo de governo: artistas empreendedores de si

Palavras-chave: governamentalidade, empreendedorismo, arte, cultura, políticas culturais

Resumo

Este artigo apresenta alguns aspectos da obra do pesquisador inglês Tony Bennett (1988, 1998, 2008, 2011) sobre as políticas culturais e os circuitos artísticos. O autor adota o conceito de governamentalidade, proposto por Foucault (2016), e sugere que o encontro da estética pós-kantiana com o pensamento liberal, no final do século XVIII, criou condições para que as artes e a cultura passassem a ser vistas como um campo de governo. Essa tendência é visível no desenvolvimento das políticas culturais, especialmente a partir de meados do século XX e, mais recentemente, na difusão do conceito de economia criativa. Em seguida, a proposta é avançar sobre o pensamento de Foucault (2008), especialmente sobre as noções de empreendedorismo e capital humano. A hipótese é que um dos fatores que faz dos circuitos da arte um foco de interesse na sociedade atual é a maneira como os artistas investem a própria vida na criação de suas obras. Com isso, multiplicam-se grupos de interesse, que lutam por melhores condições de trabalho e políticas públicas. Por outro lado, corre-se o risco de que as redes se fechem em seus próprios circuitos, fragmentando o campo cultural. O desafio é fazer com que as artes e a cultura se transformem, de fato, em um bem comum, que faça parte do cotidiano da população.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Bennett, T. (1988). The exhibitionary complex. New formations, 4, 73-101.

Bennett, T. (1998). Culture. A reformer’s science. Londres: Sage.

Bennett, T. (2008). Aesthetics, government, freedom. Key Words: A Journal of cultural materialism, 6, 76-91. Retrieved from https://raymondwilliamssociety.files.wordpress.com/2017/10/key-words-6.pdf

Bennett, T. (2011). Guided freedom: aesthetics, tutelage, and the interpretation of art. Tate papers, 15. Retrieved from https://www.tate.org.uk/resear-ch/publications/tate-papers/15/guided-freedom-aesthetics-tutelage-and-the-interpretation-of-art

Bocchini, B. (2017, May 4). Ministério estima que cultura é responsável por 4% do PIB. EBC. Agência Brasil. Retrieved from http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2017-04/ministerio-estima-que-cultura-e-responsavel-por-4-do-pib

Bourdieu, P. (1998). Les règles de l’art. Genèse et structure du champ litteraire. Lonrai: Éditions du Seuil.

Costa, R. (2014). A biopolítica nos estudos sobre pessoas com deficiência. Diálogo (bio)político: sobre alguns desafios da construção da Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência do SUS. Brasília: Ministério da Saúde.

Dubuffet, J. (2012). Asfixiante Cultura. In G. Gentil, P. Poirrier & T. Coelho (Eds.), Cultura e Estado: a política cultural na França, 1955-2005 (pp. 69-71). São Paulo: Iluminuras.

Foucault, M. (2008). Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2013). O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2016). Microfísica do poder. São Paulo: Paz e Terra.

Furtado, C. (2012). Discurso de posse. In Furtado, C. (Ed.), Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto.

Hall, S. (1980). Cultural studies: two paradigms. Media Culture Society, 2(1), 57-72. https://doi.org/10.1177/016344378000200106

Hesmondhalgh, D. (2013). The Cultural Industries. Londres: Sage.

Lei nº 8.313/1991, December 23, República Federativa do Brasil.

Lei 13.278/2002, January 8, Prefeitura do Município de São Paulo, República Federativa do Brasil.

Lei 13.540/2003, March 24, Prefeitura do Município de São Paulo, República Federativa do Brasil.

Lei 14.071/2005, October 18, Prefeitura do Município de São Paulo, República Federativa do Brasil.

Lei nº 16.496/2016, July 20, Prefeitura do Município de São Paulo, República Federativa do Brasil.

Matos, T. (2019, August 12). Museus em alta: 1º semestre de 2019 tem recordes de público pelo Brasil. G1. Retrieved from https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2019/08/12/museus-em-alta-1o-semestre-de-2019-tem-recordes-de-publico-pelo-brasil.ghtml

Osborne, T. (1998). Aspects of Enlightenment. Social theory and the ethics of truth. Oxford: Rowman & Littlefield. Retrieved from https://www.kobo.com/us/en/ebook/aspects-of-enlightenment-2

Osborne, T. (2003). Against ‘creativity’: a philistine rant. Economy and society, 32(4), 507-525. https://doi.org/10.1080/0308514032000141684

Pelbart, P. (2013). Foucault versus Agamben? Revista Ecopolítica, 5, 50-64.

Poirrier, P. (2012). Introdução. In G. Gentil, P. Poirrier & T. Coelho (Eds.), Cultura e Estado: a política cultural na França, 1955-2005 (pp. 17-39). São Paulo: Iluminuras.

Schumpeter, J. (1947). The creative response in economic history. The Journal of Economic History, 7(2), 149-159.

Shiner, L. (2001). The invention of art: a cultural history. Chicago: University of Chicago Press.

Unesco (1970, 24 de agosto a 2 de setembro). Conferencia Intergubernamental sobre los Aspectos Institucionales, Administrativos y Financieros de las Políticas Culturales. Retrieved from http://unesdoc.unesco.org

Unesco (2005). Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. Retrieved from https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000149742

Williams, R. (1967). Culture and Society. Londres: Chatto & Windus. Retrieved from https://www.kobo.com/br/pt/ebook/culture-and-society

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Machado C. Melo, S. (2019). As políticas culturais como um campo de governo: artistas empreendedores de si. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 6(2), 163-177. https://doi.org/10.21814/rlec.2115