O Blocódromo está na rua: a apropriação mercadológica e os blocos de carnaval da cidade do Rio de Janeiro

Palavras-chave: carnaval, bloco de carnaval, apropriação, turistificação

Resumo

A partir da proposta da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro de criar uma arena para desfile de blocos carnavalescos, para o carnaval de 2018, projeto que ficou conhecido como “Blocódromo”, visamos identificar que aspectos deste empreendimento – que não saiu do papel – ganharam vida no carnaval de 2019. Para tanto, abordaremos esta manifestação carnavalesca como objeto de ressignificações na sociedade contemporânea, o que se revela de modo evidente nos variados estágios de reformulação do projeto Arena Carnaval Rio, tanto em 2018 (o que inclui mudanças estruturais e de data) como em 2019, quando recebeu um outro formato, cuja implementação esbarrou em novos processos de negociação. A partir daí, utilizando alguns blocos de carnaval, analisaremos a ideia de apropriação destes grupos como produtos de interesse mercadológico, tanto por empresas privadas quanto pelo poder público, destacando questões como a perda de controle sobre práticas culturais assim como os efeitos da mercantilização e turistificação do carnaval carioca. Através das tensões e diálogos entre os diversos atores envolvidos observaremos como este tipo de organização carnavalesca desafia o projeto de ordenação da festa, por meio das disputas de poder nas vias públicas, enquanto se revela uma atraente fonte de receita.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Alfano, B., Nunes, M., Lins, M. N. (2016, 23 de outubro). Presidentes das escolas de samba anunciam apoio a Crivella. Já integrantes de blocos desfilam ao lado de Marcelo Freixo. Extra, p. 15.

Amar, P. (2018). O arquipélago da segurança: estados de segurança humana, políticas de sexualidade e o fim do neoliberalismo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Araújo, H. (2003). Carnaval: seis milênios de história. Rio de Janeiro: Gryphus.

Bacelar, C. (2017, 27 de dezembro). ‘Blocódromo’ ganha forma. O Globo, p. 5.

Bailes e ensaios. (2018, 16 de fevereiro). O Globo, Rio Show, p. 16.

Barros, M. T. G. M. de (2013). Blocos: vozes e percursos da reestruturação do carnaval de rua do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Brasil. Retirado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/11038/RelatorioFinal_TeresaGuilhon.pdf?sequence=1

Barroso, F. M. & Gonçalves, J. (2016). Subversão e purpurina: um estudo sobre o carnaval de rua não-oficial do Rio de Janeiro. Comunicação apresentada no XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo.

Boere, N. (2017, 24 de outubro). Cultura vai ganhar cinco quadriláteros. O Globo, p. 16.

Boere, N. & Magalhães, L. E. (2018, 10 de janeiro). Bahia que não me sai do pensamento... O Globo, p. 10.

Boschi, M. R. (2007). O carnaval como fenômeno de atração e retenção de turistas na cidade do Rio de Janeiro: um olhar sobre grupos distintos de foliões de blocos da Zona Sul da cidade. Dissertação de mestrado, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Brasil. Retirado de: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/3893/ACF28A.pdf

Callegari, C. (2018, 22 de fevereiro). Nota dez no quesito evolução. O Globo, Caderno Barra, p. 12.

Canclini, N. G. (2008). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp.

Cardoso, L. (2018, 11 de fevereiro). Blocos levam multidões às ruas. O Dia, p. 10.

Caruso, M. (2018, 10 de junho). Carnaval do Rio terá ‘blocódromo’. O Globo, Segundo Caderno, p. 2.

Caruso, M. (2018, 30 de junho). Blocódromo na berlinda. O Globo, Segundo Caderno, p. 6.

Caruso, M. (2018, 26 de novembro). Quando a gente conhece o fundo do poço, aprende. O Globo, Segundo Caderno, p. 2.

Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília.

Couto, M. (2019, 29 de janeiro). O bloco da Antiga Sé é campeão no carnaval. O Globo, p. 10.

Fernandes, C. & Barroso, F. M. (2018). Os limites da rua: uma discussão sobre regulação, tensão e dissidência das atividades culturais nos espaços públicos do Rio de Janeiro. Pol. Cult. Rev., 11(1), 100-121. https://doi.org//10.9771/pcr.v11i1.26706

Fernandes, R. (2014, 10 de março). Sem generalização. O Globo, p. 12.

Ferreira, F. (2012). Escritos carnavalescos. Rio de Janeiro: Editora Aeroplano.

Ferreira, F. (2004). O livro de ouro do carnaval brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro.

Ferreira, F. (2018, 7 de janeiro). ‘Blocódromo’ pra quem? O Globo, p. 19.

Ferreira, J. C. V. (2018). Blocos de enredo: seu lugar e seus significados na configuração do carnaval carioca. Tese de doutoramento, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Retirado de: http://www.memoriasocial.pro.br/documentos/Teses/Tese89.pdf

Filho, S. P. L. (2011, 9 de março). Carnaval de muitas críticas. O Globo, p. 8.

Frydberg, M. B. (2014, agosto). Seguindo o cordão: uma etnografia das trocas nos blocos de carnaval de rua na cidade do Rio de Janeiro. Comunicação apresentada na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal.

Gois. A. (2017, 21 de outubro). Tempos sombrios. O Globo, p. 10.

Guimarães, C. (2017, 20 de outubro). Está difícil curtir a rua. O Globo, Segundo Caderno, p. 2.

Guimarães, C. (2017, 10 de novembro). Aliás e a propósito. O Globo, Segundo Caderno, p. 2.

Guimarães, H. (2011). Batalhas de confete e coretos carnavalescos: o desenho de uma paisagem efêmera no carnaval carioca nas décadas de 1930 e 1950. Textos escolhidos de cultura e arte populares, 8(2), 259-272. https://doi.org//10.12957/tecap.2011.10441

Herschmann, M. (2013). Apontamentos sobre o crescimento do carnaval de rua no Rio de Janeiro no início do século 21. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 36(2), 267-289. https://doi.org//10.1590/S1809-58442013000200013

Informe JB (1981, 23 de abril). Jornal do Brasil, p. 6.

Leopoldi, J. S. (2010). Escolas de samba, blocos e o renascimento da carnavalização. Textos escolhidos de cultura e arte populares, 7(2), 27-44. https://doi.org//10.12957/tecap.2010.11996

Magalhães, S. (2011, 12 de março). O núcleo e a essência do Rio. O Globo, p. 7.

Marinatto, L. (2018, 19 de janeiro). Prefeitura gastou mais com blocódromo do que com creches. O Globo, p. 9.

Marta, F. (2006, 5 de março). A vez do ‘blocódromo’. Jornal do Brasil, p. A10.

Motta, A. A. (2011). Blocos de rua do carnaval do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Réptil.

Novo, C. (2018, 7 de julho). Eu quero é botar meu bloco na rua. O Dia, p. 8.

Oliveira, G. (2018, 2 de julho). Órgãos de patrimônio são contra ‘blocódromo’ na Primeiro de Março. O Globo, p. 6.

Prefeitura fará ‘blocódromo’ no centro para tirar desfiles da orla (2018, 11 de junho). O Globo, p. 7.

Prefeitura fará do blocódromo uma festa julina (2018, 24 de janeiro). O Globo, p. 10.

Prestes Filho, L. C. (2015). O maior espetáculo da terra: 30 anos de sambódromo. Rio de Janeiro: Lacre Editora.

Queiroz, M. I. P. de (1999). Carnaval brasileiro: o vivido e o mito. São Paulo: Brasiliense.

Rangel, S. (2017, 4 de setembro). Rio terá ‘blocódromo’ no carnaval em área olímpica contra confusão na Barra. Folha de São Paulo, p. B7.

Riotur (2018). Agenda dos blocos de rua do Rio de Janeiro de 2018. Rio de Janeiro.

Saconi, J. P. (2018, 16 de janeiro). Lista oficial de blocos é divulgada para os foliões. O Globo, p. 10.

Schechner, R. (2012). The future of the ritual. In Z. Ligiéro (Ed.), Performance e Antropologia de Richard Schechner (pp. 155-196). Rio de Janeiro: Mauad X.

Sem sair do quadrado (2018, 9 de fevereiro). O Globo, Caderno Rio Show, p. 7.

Storey, J. (2015). Teoria cultural e cultura popular: uma introdução. São Paulo: Edições Sesc.

Ventura, Z. (2011, 12 de março). Cinzas do carnaval. O Globo, p. 7.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Ribeiro, T. L., & Ferreira, F. (2019). O Blocódromo está na rua: a apropriação mercadológica e os blocos de carnaval da cidade do Rio de Janeiro. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 6(2), 69-88. https://doi.org/10.21814/rlec.2114