Terno de Reis: entre a tradição e a atualização da identidade na comunidade quilombola Nova Esperança

Palavras-chave: Terno de Reis, cultura, identidade, Nova Esperança

Resumo

O presente artigo busca analisar como a festa de Reis, uma expressão cultural presente em diversas comunidades brasileiras, neste caso, na Comunidade Quilombola Nova Esperança, município de Wenceslau Guimarães, Bahia, mantém a tradição perante as diversas influências culturais oriundas das identidades móveis contemporâneas. A partir de narrativas dos participantes do Terno de Reis, o folguedo é importante elemento na reafirmação da identidade local e, sobretudo, dos laços de ancestralidade comum com o fundador da comunidade. Ao discutir a dinâmica que envolve todo o festejo da festa de Reis, torna-se pertinente pesarmos a cultura como algo dinâmico, vivo no tempo e no espaço, se (re)significando e avivando a memória do povo que possui relação contínua entre passado e presente. As narrativas apresentam ainda a preocupação com a permanência da festa diante das eminentes ameaças que o folguedo sofre face à liquidez das relações sociais contemporâneas.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Alberti, V. (2005). Histórias dentro da História. In C. B. Pinsky (Ed.), Fontes históricas (pp. 155-191). São Paulo: Contexto.

Almeida, A. W. B. (2006). Terras de quilombo, terras indígenas, “Babaçuais Livres”, “Castanhais do Povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PPGSCA-UFAM.

Almeida, W. B. (2011). Quilombolas e novas etnias. Manaus: UEA Edições.

Arruti, J. M. (2006). Mocambo: Antropologia e História do processo de formação de quilombola. Bauru: Edusc.

Barth, F. (2000). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Dubar, C. (1997). Para uma teoria sociológica da identidade. In A socialização (pp. 133- 156). Porto: Porto Editora.

Canclini, N. G. (1997). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp.

Gonçalves, M.C.S. (2008). Folias de reis: o eco da memória na (re)construção da performance e identidade dos foliões em João Pinheiro, estado de minas gerais. IV Enecult - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (p. 6). Universidade Federal da Bahia. Salvador, Brasil.

Gusmão, N. M. M. de (1995). Terra de pretos, terra de mulheres. Terra, mulher e raça num bairro rural negro. Brasília: Fundação Cultural Palmares.

Gusmão, N. M. M. de. (1979). Campinho da independência: um caso de proletarização caiçara. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, Brasil.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora DP&A.

Hall, S. (2011). Quem precisa de identidade? In T. T. Silva (Ed.), Identidade e diferença (pp. 103- 132). Petrópolis, RJ: Vozes.

Queiroz, R. da S. (1983/2006). Caipiras negros no Vale do Ribeira: um estudo de antropologia econômica. São Paulo: EDUSP.

Meihy, J. C. S. B. (1998). Manual de história oral. São Paulo: Loyola.

Moura, C. (1981). Rebeliões da senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. São Paulo: Editora Ciências Humanas.

Munanga, K. & Gomes, N. L. (2006). O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Editora Global.

Pergo, V. L. Os rituais na folia de reis: uma das festas populares brasileiras. Retirado de http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pdf/st1/Pergo,%20Vera%20Lucia.pdf.

Rios, S. (2006). Os cantos da festa do reinado de Nossa Senhora do Rosário e da Folia de Reis. Sociedade e Cultura, 9(1), 65-76.

Wagner, R. (2011). A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Santos, C. (2019). Terno de Reis: entre a tradição e a atualização da identidade na comunidade quilombola Nova Esperança. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 6(2), 127-141. https://doi.org/10.21814/rlec.2113