Democracia e diversidade cultural

  • Paulo Serra Universidade da Beira Interior
  • Bruno Serra Centro de Ética, Política e Sociedade (CEPS), da Universidade do Minho
Palavras-chave: Estudos culturais, diversidade cultural, democracia, participação, globalização

Resumo

Com o dito latino Hic rhodus hic saltus, referido no prefácio da sua Filosofia do Direito, pretendia Hegel sublinhar que cabe à filosofia estudar o que é, o real, e não o que deveria ser. Nos anos 60 do século XX, o real era, para os estudos culturais ingleses, a revolução cultural em curso desde os finais da II Guerra Mundial, e que tornava crucial o estudo de questões como as da relação entre cultura e poder, cultura popular e cultura de massa, homogeneidade cultural e diversidade cultural. As reflexões dos autores dos estudos culturais, ingleses e outos, em relação a estas questões, continuam hoje a ser cruciais e, diríamos mesmo, mais cruciais do que nunca. Partindo do trabalho levado a cabo pelos estudos culturais no domínio da cultura, o presente artigo reflete sobre as condições de uma democracia que respeite a pluralidade e a diferença das culturas, não só a nível do estado nacional, hoje em profunda mudança, mas também a nível mundial/global. De forma algo anacrónica, deixamos Hegel e a sua ancoragem ao real para regressarmos a Kant e ao seu ideal de uma sociedade cosmopolita.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Publicado
2017-12-28
Como Citar
Serra, P., & Serra, B. (2017). Democracia e diversidade cultural. Revista Lusófona De Estudos Culturais, 4(2), 21-. https://doi.org/10.21814/rlec.239