Produção e formação audiovisual “fora do eixo” no Brasil: o caso do Instituto Federal de Goiás

Renato Prado

Resumo


A produção cinematográfica e audiovisual, a exemplo dos grandes grupos de média, esteve historicamente concentrada nas mãos de poucos agentes em relação ao todo populacional. Este tipo de concentração favorece discursos hegemônicos e representações alienadas de culturas que não produzem seu próprio conteúdo. As políticas públicas de descentralização da produção audiovisual brasileira no século XXI estão a desempenhar um papel importante e bem-sucedido de aumento da produção em regiões fora do eixo Rio-São Paulo, principal centro econômico e de produção dos média do Brasil. As instituições de formação audiovisual que estão “fora do eixo” devem estar atentas a esta organização, preparando os estudantes para os desafios técnicos, sociais e culturais da descentralização da produção e do discurso. O Instituto Federal de Goiás (IFG) oferece desde 2015 o Bacharelado em Cinema e Audiovisual em Goiás, uma pequena cidade da região centro-oeste do Brasil. O curso tem obtido resultados importantes advindos de sua proposta pedagógica ao mesmo tempo em que tenta se consolidar e estabelecer ações de cooperação com outras instituições fora dos principais centros de média de seu país e do mundo.

Palavras-chave


Produção audiovisual; políticas públicas; educação; contra-hegemonia; Instituto Federal de Goiás; Brasil

Texto Completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.21814/rlec.387

Apontadores

  • Não há apontadores.


 

 

 

 

 

 

...............................................................................................................

 

.:: LASICS ::.
Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS)
Universidade do Minho, campus de Gualtar
4710-057 Braga - Portugal

Revista Lusófona de Estudos Culturais/Lusophone Journal of Cultural Studies
ISSN: 2183-0886 online/2184-0458 print